Terça-feira, 14 de Novembro de 2017

Onde moram os afetos?

O leitor talvez tenha respondido: no coração! Quem não desenhou um coração para dizer a alguém que o ama, que está apaixonado?

O coração faz parte de uma simbologia quase universal, talvez porque o batimento cardíaco está associado à vida e, sobretudo, a sua aceleração é sinal de emoções fortes.

O certo é que o desenho do coração passou a ser o símbolo perfeito para falar de amor e paixão. E, alguns povos, até colocam a mão no coração para evidenciar a sua paixão pelo país e a nacionalidade que os identifica.

Mas será que os afetos moram aí? Nesse órgão que bate ao compasso do fluxo e refluxo da corrente sanguínea?

Será que amamos com esse coração? Ou não será antes com a cabeça, os pensamentos e o entendimento que fazemos da realidade que nos rodeia?

Salvador Sobral, ao que consta, sobrevive ligado a um coração artificial, enquanto não é submetido a um transplante cardíaco. Se o coração fosse assim tão importante, este cantor, que encantou o mundo com a sua forma particular de interpretar uma canção de amor, teria perdido essa capacidade.

Se o amor estivesse sedeado no coração, então a compatibilidade desejada, aquando de um transplante, teria de ser mais do que orgânica, espiritual e emocional. Ninguém gostaria de receber um coração que viesse de um indivíduo com um historial de ódio, raiva e agressividade.

Mas, felizmente, apesar de os corações desenhados terem sido adotados como símbolos de afeto, basta só lembrar o São Valentim, os afetos não moram nesse órgão que nos bombeia o sangue a cada instante.

Os afetos e as emoções passam pela mente e constroem-se na relação com os outros e com o mundo, com quem comunicamos e aprendemos a conhecer.

O que nos emociona é a felicidade e a alegria; a descoberta e o prazer; os gestos de ternura ou de ajuda, os sorrisos genuínos ou as lágrimas sentidas.

O amor genuíno não tem limites. Amamos um filho quando dá os primeiros passos ou nos abraça com ternura; mas também quando está doente ou desamparado. Amamos quando conquista os seus objetivos, mas também quando falha.

O Amor torna-nos sensíveis, porque entre nós e os outros, o mundo, não há como não comunicar, sentir.

Quando alguém agride, humilha ou desrespeita a dignidade de outrem, a primeira coisa que destrói é a relação; interrompe a comunicação por onde fluem os afetos.

Os afetos nascem da capacidade de ouvir e de descobrir o outro, particularmente, aqueles que nos são próximos, companheiro/marido ou filhos, pais ou irmãos, em momentos únicos de partilha.

Não são precisas estratégias complicadas, nem anéis de diamante, para se demonstrar a alguém que se ama ou para reatar uma relação que se quebrou. Basta estar disponível para a aceitar a pessoa que o outro é, e partilhar a viagem da vida, cada um pisando o seu chão, mas feliz por não estar sozinho na caminhada.

O amor não é complicado, é até simples demais.

Mas tem um segredo, que nem todos descobrem e que pode levar à infelicidade. Ninguém é dono de quem ama. O amor não compra e quando alguém julga ter direitos por amar, já destruiu a parte mais sagrada do outro, a sua liberdade de ser.

Dizer que alguém "não tem coração", não lhe tira vida orgânica mas certamente que resume uma vida sem afetos, sem sentido do outro, sem respeito pela dignidade. É alguém fechado sobre si, que vive num mundo de egoísmos e insensibilidade.

O coração onde moram os afetos não está no peito, mas é um espaço aberto, dentro de cada um, que tanto acumula sentimentos, como se esvazia em emoções, para logo voltar a se encher de felicidade, num eterno movimento de dar e receber.

(texto publicado no jornal Açoriano Oriental de 14 Novembro 2017)

 

publicado por sentirailha às 21:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 1 de Novembro de 2017

O (des)acórdão

Muito se escreveu e disse sobre o acórdão do tribunal da Relação do Porto que desagrava um crime de violência doméstica,...

Ler artigo
publicado por sentirailha às 22:38
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017

O furacão anunciado

Passou ao largo dos Açores, o furacão Ophelia! Ainda bem. Mas porquê Ophelia? Ainda há pouco tempo foram o Irma, o José ...

Ler artigo
publicado por sentirailha às 21:02
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Outubro de 2017

Ruby Bridges

Na Conferência internacional sobre Igualdade, promovida pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, no passado dia 30 de ...

Ler artigo
publicado por sentirailha às 22:00
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Setembro de 2017

Escárnio e Maledicênc...

Quem não se lembra das "cantigas de escárnio e maldizer" das aulas de Português? Mesmo não conhecendo o que significa "e...

Ler artigo
publicado por sentirailha às 18:49
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Setembro de 2017

O género da polémica

Que a natureza integra o feminino e o masculino e que estas duas dimensões estão na origem do processo reprodutivo, de q...

Ler artigo
publicado por sentirailha às 11:47
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Julho de 2017

Pobreza e Desigualdade

Os resultados do Inquérito às Despesas das Famílias (IDF), publicados este mês pelo INE, revelam um agravamento da desig...

Ler artigo
publicado por sentirailha às 10:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds