Quinta-feira, 27 de Março de 2008

De outra maneira!

Há momentos em que apetece fazer tudo de outra maneira! Quebrar as rotinas como quem arranca amarras. Ver o mundo pelo lado contrário, ouvir os mais pequenos e brincar com os mais frágeis. Gritar golo quando é a equipa que perde que marca; apoiar a opinião das minorias fragilizadas e argumentar a favor de quem é vencido na batalha.

Há momentos em que a vida parece demasiado igual, porque se perdeu o sentido do pormenor. A diferença nunca está nos grandes acontecimentos, que raramente têm lugar; não está nas emoções fortes, que acontecem de vez em quando; nem está nas vitórias, por vezes conseguidas ao fim de anos de trabalho. A diferença está sempre nos pormenores, nos detalhes de um dia, aparentemente igual aos outros. Porque hoje, ao contrário de sempre, o pequeno-almoço foi tomado na cama, alguém se lembrou que precisávamos de descansar um pouco mais. Hoje, ao invés de sempre, optamos por um caminho diferente no regresso a casa e, em vez de nos cruzarmos com as mesmas pessoas que à mesma hora caminham para os empregos, demos conta que há outros moradores na parte de cima da rua, que nunca subimos, e raramente cumprimentamos.

Há momentos na vida, que as palavras ditas ou lidas tantas vezes soam diferente, fazem eco e provocam emoções novas.

Afinal, todos os anos a Páscoa acontece e todos os anos se ouvem as leituras da Paixão, inclusive, em filmes e programas televisivos. O sofrimento de Cristo é retratado passo a passo. No monte das Oliveiras, os amigos entregam-se ao sono e esquecem a promessa de guarda; Pedro nega o seu mestre, por medo; Madalena, apesar de não ficar na história sagrada como a primeira apostola, anuncia a ressurreição. Mas, a história contada e recontada traz sempre um lado novo, desconhecido, uma emoção não sentida.

Afinal falar da paixão de Cristo, é mais do que relembrar um percurso de sofrimento, é relatar o modo como a vida só tem sentido quando é vivida de forma apaixonada, total; permeável a todas as emoções, a cada minuto, a cada nuance. Nada pode ser entendido como lógico, consequente, quando se vive de forma apaixonada e se procura atinar com o veio de minério que rasga a pedra. Tudo podem ser sinais, novas experiências, marcas da diferença.

Afinal, basta deixar-se apaixonar e cativar pela vida para descobrir as emoções, os cambiantes de uma cor que se julgava homogénea; encontrar as curvas de uma estrada que parecia recta. Podemos olhar muitas vezes na mesma direcção e não ver; ouvir muitas melodias e nunca escutar o toque de um instrumento. Rever, (re)escutar é descobrir a diferença, é mergulhar no pormenor e entender, porque a sabedoria é feita de calos que um dia foram bolhas de água; de leituras repetidas, sublinhadas e anotadas; não nasce do instantâneo, mas de novas formas de ver o que todos olham.

O ser humano tem necessidade de se organizar por isso cria rotinas para se disciplinar. Mas, quando se anula nas regras por si criadas ou esquece de sentir, na ânsia de repetir os mesmos hábitos, perde a graça de viver.

Páscoa é sinónimo de renovação. Mas renovar implica deitar fora o que não se usa, simplificar, libertar entraves que bloqueiam a comunicação, arejar o que está bolorento e cheira a bafio.

Renovar é descobrir que há sempre uma maneira diferente de fazer, de estar ou dizer, sem deixar de ser igual a si próprio.

(publicado no Açoriano Oriental a 24 de Março 2008)

publicado por sentirailha às 22:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

. Um inimigo do povo

. Marcas do Tempo

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds