Domingo, 13 de Abril de 2008

Haja Saúde!

Assim se saudavam os antigos.

7 de Abril é o dia mundial da saúde. Um entre muitos que marcam o calendário e que, aparentemente servem, sobretudo, para desencadear eventos, sessões de esclarecimento, em geral dominadas pelo mote: não basta combater a doença, é preciso preveni-la.

Saúde! Bem tão desejado e tantas vezes posto em causa pela forma como comemos, pela ansiedade com que trabalhamos ou pelos riscos desnecessários que corremos.

Saúde! Bem escasso e frágil que exige de cada cidadão a busca do equilíbrio, no respeito por si, pelas suas limitações físicas, psíquicas e sociais e na interacção com o mundo que o rodeia. Como se pode ler nos compêndios de saúde, não basta dizer que não se é doente, para se ser um ser saudável. A saúde é um estado de bem-estar, e se o corpo não padece, mas a mente vive perturbada, esse equilíbrio é posto em causa.

A relação com os outros, o ambiente que nos rodeia, também são elementos que contribuem para o estado de saúde de cada pessoa. Se olharmos à evolução da esperança média de vida, podemos reconhecer que a ciência e o desenvolvimento sócio económico em muito contribuíram para que se viva mais tempo. No entanto, continua sendo válida a máxima de que, não basta acrescentar anos à vida, é preciso dar vida aos anos.

E, dar vida aos anos é apostar na prevenção, nomeadamente evitar doenças crónicas nos mais novos. Dar vida aos anos é reconhecer a importância da actividade física, da alimentação equilibrada, do combate à poluição e ao desperdício; é investir e apostar numa vigilância periódica, no despiste precoce e, sobretudo, implica cuidar do corpo e da mente, de forma a manter níveis adequados de saúde durante toda a vida.

A saúde é um bem supremo mas não é, como muitos no passado julgavam, uma simples dádiva, que em nada depende do ser humano. A doença nunca é um castigo ou uma punição divina, “que mal fiz eu a Deus!”. Em muitos casos, é um sinal, que nos deve fazer pensar: “que mal fiz eu a mim próprio!?”.

Na verdade, o dom da vida pode ser entendido como transcendente, mas a responsabilidade de a manter, de a preservar com qualidade, é sem dúvida uma competência e sobretudo um dever do ser humano.

Muitas das doenças do século XXI resultam do estilo de vida urbano, consumista, sedentário e por vezes ansioso, que marca o quotidiano das sociedades ditas desenvolvidas. A título de exemplo, e de acordo com a opinião de especialistas em endocrinologia, a diabetes do tipo dois, ou seja, a que resulta do estilo de vida das pessoas, começa a aparecer em crianças, apesar de ser uma patologia sobretudo de adultos. Este problema de saúde é em parte o lado perverso de um estilo alimentar incorrecto que contribui para um maior número de casos de obesidade infantil.

Somos todos responsáveis pela saúde que temos ou pela sua ausência. Não significa sermos culpados por estar doentes, mas a saúde é uma responsabilidade de cada indivíduo e da comunidade em geral. E, o modo como vivemos, nomeadamente a forma como organizamos o nosso quotidiano, desde a higiene pessoal, à higiene da casa, à comida, ao estilo de trabalho, à cadeira ou cadeirão onde nos enterramos para ver televisão, tudo contribui para a qualidade da saúde que temos.

No dia internacional da saúde, que tal pensarmos o que cada um de nós faz pela sua saúde!?

Em jeito de despedida, Haja saúde!

(artigo publicado no Açoriano Oriental a 7 Abril 2008)

tags:
publicado por sentirailha às 00:30
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds