Quinta-feira, 22 de Maio de 2008

A porta das traseiras

A casa, enquanto espaço, é mais do que o lugar onde moramos. É um território que construímos à imagem do que somos, do modo como nos relacionamos com quem vive debaixo do mesmo tecto e com os outros, os vizinhos, os familiares, os amigos e todos os outros. Numa casa, há sempre recantos, lugares privados que cada um acaba por reservar para si próprio; lugares marcados pelo quotidiano, pelas rotinas diárias e por momentos bons ou maus que vão transformando a casa numa pele que se veste, para nos sentirmos protegidos, amados e, sobretudo, que nos faz ser nós mesmos.

Claro que há sempre quem nunca pare em ramo verde, ou porque a profissão assim o exige, ou porque a casa é entendida como um lugar de passagem, que dura como uma paixão, efémera, repentina, que se apaga tão depressa como se acende. Mas, para muitos outros, a casa é como uma pessoa e, tal como no amor, a primeira casa nunca se esquece. Aprendemos a conhecer e aceitamos os seus defeitos da mesma forma que as suas qualidades. Até mudamos hábitos para nos adaptarmos ao espaço onde moramos. É em casa que estamos à vontade e, se um amigo nos visita, o mais certo é entrar pela porta de serviço, pelas traseiras, considerada por outros, como a entrada dos empregados, a porta da serventia. As visitas ou as pessoas importantes, ou pelo menos para as que assim se consideram, a entrada faz-se pela porta da frente. Pelas traseiras, pedem-se os favores, fazem-se as trocas de bens e acode-se em hora de aflição. “Oh vizinha, acabei o açúcar, empresta-me uma chávena! Amanhã devolvo.” Sempre aberta, a porta da serventia é uma entrada sem cerimónias, por onde todos podem passar, calçados ou não, com roupa de trabalho ou quando regressam da missa. Aberta sobre a cozinha, lugar principal nas casas rurais, a porta de serventia é por onde se entra todos os dias. De vez em quando, batem na porta da frente. “Estranho! Não deve ser alguém conhecido, porque os amigos, que não fazem cerimónia, esses entram pelas traseiras. Deixa-me tirar o avental, dar um jeito ao cabelo e lavar as mãos. Se é visita, convêm estar apresentável. Só espero que não seja um desses vendedores de banha da cobra, que procura impingir um electrodoméstico ou um colchão terapêutico. O melhor é abrir e não fazer esperar, pode ser urgente, se calhar é para assinar algum papel!”

Na frente da casa, há sempre uns objectos decorativos, que transformam a embelezam a entrada, mas que são pouco utilizados. No passado, havia mesmo quem reservasse o quarto da frente para uma ocasião especial, como o nascer ou o morrer. O quarto de estado assim se chamava. Nele dormiam os doentes ou os peregrinos, as visitas ou os familiares emigrados que sempre procuram a família quando a saudade aperta. Afinal quem bateu à porta era o senhor prior da freguesia. “Mas porque é que não entrou pelas traseiras? O senhor sabe que, consigo, não fazemos cerimónia!”. “Tinha receio que estivessem em trabalhos”, apressou-se a dizer o prior. “E estávamos, mas nos dias que correm, se queremos ter hortaliças, temos de cultivar a terra, arrancar as ervas e manter as pragas longe da fruta.”

A casa onde se mora é a marca de pertença, que enraíza no espaço os laços que se constroem e transformam a vida, turbulenta e difícil, num lugar de afectos.

Entrar pelas traseiras é como ser da família, é sentir-se em casa e abordar o espaço do outro pela porta da serventia, sem cerimónias nem protocolos, sem preconceitos nem receios, sem faz-de-conta ou disfarces, porque é nas traseiras que a vida, a autêntica, acontece.

(publicado no Açoriano Oriental a 19 de Maio 2008)

tags:
publicado por sentirailha às 17:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds