Terça-feira, 31 de Julho de 2007

Amanhado

Este é um termo açoriano que usamos e abusamos no quotidiano.

Amanhar serve para falar de toda a forma de arranjar, seja o amanho da terra, o amanho da casa, do peixe ou da roupa.

Amanhar é ser capaz de resolver as dificuldades da vida mas é também sinónimo de aceitação. Amanha-te, não tens outro remédio. Aquele indivíduo é amanhado, vive com o que tem. Noutros contextos culturais, falar-se-ia de alguém remediado.

Amanhado é por isso alguém que se acomoda, que cuida do que é seu o melhor que pode e que aceita o que a vida lhe vai dando, um pouco sem se revoltar.

Se, por um lado, este verbo aplica-se bem à necessidade de adaptação que o ser humano tem de desenvolver na medida em que vive em sociedade e luta contra o imponderável, em particular, da natureza, por outro, amanhar pode configurar uma atitude de passividade, de aceitação tácita da vida e dos acontecimentos.

Por vezes os açorianos são um povo amanhado. Não se revoltam, não reagem, toleram até as maiores injustiças ou as fraudes mais descaradas.

Ser amanhado pode, em algumas situações, ser uma característica prejudicial, porque retira o sentido da denúncia, da revolta interior, da consciência do que é certo e do que é errado, aumentando a passividade e reduzindo o espírito de luta.

Há horas que não podemos, nem devemos ser amanhados.

Quando se trata de lutar por direitos sociais, por justiça, por valores de liberdade e de dignidade humana; quando se trata de investir e desenvolver uma terra, uma empresa ou um ofício. Não podemos ser amanhados, porque seremos coniventes com a falsidade, o abuso de poder, a exploração dos mais fracos, a corrupção e o subdesenvolvimento.

O amanho adormece a vontade, retira a “pica” como dizem os mais novos e torna-nos manipuláveis.

É preciso retirar desta atitude, que durante séculos ajudou os insulares a viverem perante as adversidades do tempo, amanhando a terra e as casas, o que ela tem de positivo e de força; mas contrapor-lhe um lado mais lutador, uma reacção de quem tem consciência do que são os seus direitos. Não se trata de fazer uma revolução a toda a hora e em todo o lugar, mas de acordar de uma certa letargia e do comodismo que isso representa; hoje em dia, a confiança não basta, o destino não resolve tudo, é preciso estar atento e não deixar que outros tirem partido da nossa passividade.

Ser amanhado pode ser sinónimo de fraqueza. E, dos fracos não reza a história.

Mas, se é uma virtude saber se amanhar com pouco, nada nos deve inibir de lutar por muito, de reivindicar o que é justo e certo, de ser proactivo, porque os tempos que passam assim o exigem.

Quantas vezes desejamos ao outro a passividade: amanha-te!

Talvez fosse hora de dizer, “Força, não desistas, vai em frente, hás-de conseguir!”

 (publicado no Açoriano Oriental)

publicado por sentirailha às 01:05
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds