Segunda-feira, 11 de Agosto de 2008

Escutar é aprender

A experiência ensina que podemos aprender muito mais depressa se estivermos atentos, se escutarmos o que os outros falam, se nos concentramos nas explicações que nos são dadas ou simplesmente se formos armazenando informação.

Escutar é mais do que ouvir, é entender e abrir a nossa mente à novidade, ao momento. É deixar-se surpreender e não ter ideias feitas que nos impeçam de apreender os conteúdos que os outros nos transmitem.

Escutar é um dom, mas não é um privilégio dos ouvintes, porque não depende apenas do ouvir. Implica entender diferentes linguagens: a dos gestos, dos sinais, das posturas, das cores ou mesmo das tonalidades da natureza. Apesar dos sons serem fundamentais na construção dos ambientes, escutar difere do simples ouvir, desde logo pela atitude de quem o faz. Não se escuta se não se pára, se não se tira tempo para sentir, para estar.

Escutar é fundamental para conhecer. Logo, quem não o faz, é mais ignorante. Quem não se dispõe a ouvir as vozes e a procurar entender os significados, constrói um mundo de conceitos mais pobre, define os limites do possível de forma restrita.

Escutar abre as fronteiras do conhecimento e do pensamento e enriquece as relações. Entre pais e filhos, se os primeiros não escutarem os segundos, é muito provável que vivam numa ilusão de serem pessoas felizes. O silêncio, aparentemente sagrado, que rodeia essas relações extremadas, é um sinal de que ninguém se conhece, porque ninguém escuta o sentir do outro.

Entre governantes e cidadãos, detentores do poder, seja a que nível for e governados, se não houver lugar e espaço para a escuta, ou como juridicamente se diz, para as audições, o desconhecimento vertido em lei, em decreto, toma o lugar da realidade, rodeando o poder de defesas intransponíveis, alimentando os mitos como verdades absolutas.

Escutar só enriquece, só aumenta a capacidade de entender e de decidir. Escutar é, por isso, a expressão de quem tem a noção de que não é infalível, nem sabe tudo. Sem perder a sua condição e posição, seja como Presidente da República, director de uma empresa, pai ou simples cidadão, quem se dispõe a escutar o outro, contribui para melhorar a qualidade das relações, da democracia e sobretudo, é mais justo e pode pronunciar-se com mais propriedade sobre a realidade dos outros.

Em qualquer situação ou circunstância, são sempre várias as vozes e sobretudo diferentes as interpretações que podemos fazer de uma mesma realidade. Por isso, se queremos conhecer o mundo e as pessoas, se queremos descobrir uma terra ou um povo, não basta dizer, “eu já passei por lá”, é preciso ficar. Não basta dizer “eu já ouvi isso”, é preciso escutar novamente. Não basta dizer, “eu já sei o que vai dizer”, é preciso dar espaço ao outro e escutar os significados que se escondem detrás das suas palavras.

O dever de escutar é próprio da cidadania e não devia ser entendido como uma obrigação legal: políticos, agentes de segurança, professores e todos os profissionais que estão ao serviço das populações deveriam escutar mais; não por obrigação mas como exigência e necessidade. Porque só aprende e, logo, só conhece, quem se dispõe a escutar.

(publicado no Açoriano Oriental de 11 de Agosto 2008)

tags:
publicado por sentirailha às 18:46
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds