Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

Promessas

Quantas promessas nascem de pedidos? “Se Deus, se tudo se resolver, eu mudo…”. Esperando passivamente que outros façam ou resolvam, dispõe-se a “pagar essa promessa” com sacrifícios e até mudar de vida; depois, só depois do “milagre” acontecer.

Promessas fazem outros, que apesar de conscientes das dificuldades que existem para resolver uma situação, iludem quem neles acredita. Fazem promessas para empatar. Mas “para a semana fica resolvido”.

Prometer só é válido na medida em que for comprometer, quando me envolver e envolver os outros na solução dos problemas. Em geral quem espera ver uma promessa cumprida, quer respostas concretas e é intolerante aos adiamentos sucessivos. Se a questão é económica, espera um aumento de recursos, quase imediato; se o problema for desentendimento familiar, por exemplo a eminência de um divórcio, é no entendimento e na reunião que vê a promessa cumprida.

Dificilmente alguém considera que a concretização de uma promessa possa não ser uma resposta positiva. Como pode a permanência de uma situação de carência ser resposta? Como ver no desentendimento de um casal uma oportunidade para o reencontro?

Uma promessa é antes de mais um contrato, um compromisso de intenções entre diferentes partes. Ninguém pode prometer sem envolver os outros, nem ninguém pode esperar ver uma promessa cumprida sem participar na sua concretização. Se a questão é financeira, familiar ou outra, é fundamental saber ler as causas e os entraves à sua resolução. Qual é a minha parte na alteração da situação? Que oportunidades não aproveitei ou que expectativas exageradas deposito nos outros? O que fazer quando não puder evitar ou alterar um problema?

Em campanha eleitoral fazem-se promessas, porque ninguém pode apresentar um programa ou um projecto político ao eleitorado, sem afirmar o que pretende concretizar numa legislatura; sem dizer que está disposto a pôr em prática essas ideias. Mas, os eleitores, quando confiam nas pessoas, quando votam, não podem desresponsabilizar-se da realização desse projecto. São parte integrante do sucesso dessas medidas. Votar favoravelmente um determinado projecto político é afirmar: podem contar comigo para a sua concretização.

Prometer mais habitação, melhor emprego ou mais educação, sem considerar a responsabilidade das famílias, a reorganização dos estilos de vida, a crença no esforço pessoal e a definição de metas, aspirações que representem investimentos no futuro, é fazer “falsas promessas”. É ser demagogo e estar à espera que o comodismo em que se instalam os descontentes os faça acreditar em discursos vazios. É pura demagogia chegar a épocas pré eleitorais e criticar o governo por não ter conseguido (ou prometer) combater a fome, a doença, o analfabetismo, o alcoolismo e a violência, como se estes problemas fossem pó que se pode varrer, nem que seja para debaixo do tapete.

Se queremos ser objectivos, realistas, olhemos estes flagelos a partir da realidade concreta da sociedade e da nossa própria vida, assumindo-os como problemas para os quais também contribuímos, quantas vezes aceites e dissimulados no quotidiano das pessoas.

A melhor forma de pagar ou cumprir uma promessa é dar de si, é dar-se, para que a mudança aconteça.

(publicado no Açoriano Oriental de 18 Agosto 2008)

tags:
publicado por sentirailha às 13:30
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds