Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

Um parlamento plural

(17 Novembro 2008) Hoje toma posse a nova Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, agora mais alargada em número de deputados e em forças partidárias. Esta será certamente uma legislatura diferente, onde o debate político ganhará novos contornos, por ventura, maior diversidade de temas e olhares. Com mais forças políticas representadas, as comissões parlamentares serão espaços mais participativos, onde cada força política deverá fazer valer os seus argumentos na leitura dos diplomas em análise.

Quantas vezes, em outras legislaturas, os partidos em maioria na Assembleia sentiam falta de cooperação nas forças da oposição, quando se tratava do trabalho em comissões, quando estas recorriam de forma sistemática ao recurso da “reserva de posição para plenário”. Deixando muitas vezes as propostas de alteração ao partido que apoia o governo, os partidos na oposição procuravam fazer valer a sua argumentação para o debate, fazendo nessa altura uma discussão acalorada, quantas vezes demagógica, com direito a títulos de jornais ou abertura de telejornal.

O parlamento renovado que agora começa a sua actividade irá congregar seis forças partidárias, outros tantos olhares sobre a realidade política da região, o que implicará um conjunto alargado de críticas e propostas. Cada partido terá por isso defender as suas posições com argumentos sólidos, fundamentos credíveis e discursos coerentes, baseados em factos reais e não apenas em visões demagógicas.

O círculo regional de compensação, que alguns críticos julgaram ser uma estratégia de reforço do partido do governo, revelou ser, como o provam os resultados eleitorais, um sistema capaz de valorizar a dimensão pequena das ilhas e o peso relativo dos votos não considerados no sistema eleitoral anterior.

Para um continental, parece absurdo que um deputado possa ser eleito com setenta e cinco votos, como acontece no Corvo. Desconhecem que no quadro de uma Região Autónoma, composta por nove ilhas, todas têm valor idêntico em termos de representatividade simbólica e política.

A identidade dos Açores não é formatada pela maioria dos micaelenses que vivem neste arquipélago, mas pela diversidade insular que, em cada ilha, contribui para a construção do ser açoriano. As centenas de corvinos dão à identidade açoriano o traço que os milhares de micaelenses nunca poderão possuir nem saberão personificar. Por esse facto, cada ilha, desde que há eleições na Região, possui uma cota idêntica de dois deputados, concretizando o princípio de base que as nove ilhas são importantes na construção do arquipélago. A esta realidade se associam os restantes deputados, esses sim, fazendo pesar a realidade dos diferentes núcleos populacionais com impacto diferenciado nos sectores da acção política, desde a educação à economia.

A Assembleia Legislativa não é apenas o órgão máximo da autonomia, é sem dúvida o espelho da açorianidade partilhada por insulares de nove ilhas, expressa em sonoridades de sotaque diferentes, que se unem na defesa dos interesses de uma Região comum.

(publicado no Açoriano Oriental de 17 Novembro 2008)

publicado por sentirailha às 01:37
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds