Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008

Eliminar a violência sobre as mulheres

Quantos não dirão, depois de lerem este título: até parece que os homens também não são vítimas!

Infelizmente, as mulheres ainda pesam muito mais nos números da violência conjugal e nos homicídios que daí advêm. Só este ano, oito mulheres morreram nos Açores às mãos dos seus agressores. Isso não significa que o combate à violência não seja um desiderato universal, que se aplica a todo e qualquer ser humano que seja vítima de maus-tratos.

A violência doméstica, em particular a conjugal, é um problema social grave que carece de prevenção. É importante abordar esta realidade que incomoda, mas que, por estranho que pareça, convive paredes-meias, com o quotidiano de muitas famílias.

Afinal porque ainda são vítimas tantas mulheres?

Desde logo, pela forma como alguns entendem a relação humana, baseada no domínio, na dependência; vivida como espaço de intimidade, reservado, “das portas para dentro” que ninguém parece controlar, mas onde se agride ou humilha, de forma impune.

Quantas mulheres, caladas, silenciam as agressões dos maridos ou companheiros, porque “é ele quem ganha!”. Quantos idosos não calarão humilhações, porque “vivo em casa da minha filha” e tantas outras crianças que perderam o hábito de brincar, porque “a minha mãe precisa de mim”.

No desrespeito pela dignidade do outro, os agressores dominam as vítimas, alternando os actos violentos com pedidos de desculpa, pequenas prendas e promessas de mudança. “Eu não sei o que me passou pela cabeça. Eu não estava em mim. Perdoa-me”. Um ramo de flores ou uma qualquer outra prenda parecem apaziguar uma dor, que aos poucos vai se depositando no interior da mente, instalada como rotina, diluindo a capacidade de reacção.

Humilhadas, magoadas, as mulheres vítimas até chegam a sentir vergonha por pensarem mal do agressor. “Ele até não é má pessoa. Eu gosto dele”. Foi um mau momento. Passado pouco tempo a cena repete-se. Um ataque de ciúme, um controlo excessivo das saídas ou um questionar permanente sobre os gastos, desencadeia uma nova crise de agressividade.

O que fazer? Muitas das vítimas sentem-se sozinhas, receiam pelos filhos ou até pela própria vida e dificilmente falam do seu sofrimento ou pedem ajuda. Afinal, pensam algumas, esta foi a cruz que eu própria escolhi e que tenho de levar até ao fim.

A violência, a agressão gratuita, a humilhação sistemática são sempre sinónimo de perda do respeito, do carinho que devem marcar as relações afectivas nos casais e na vida familiar. Infelizmente, a maioria dos agressores são pessoas próximas das vítimas, que as conhecem e que lidam diariamente com as suas forças e fragilidades. Aproveitam-se desse conhecimento, para espezinhar a sua dignidade, quem sabe para compensar a falta de poder que têm na vida.

Não há justificação para a violência sobre as mulheres. NENHUMA.

O amor não se conjuga com a agressão e o respeito não se pratica com a humilhação.

É obrigação de todos denunciar os maus-tratos infringidos sobre seja quem for. É um dever de cidadania, não apenas porque é de um crime que se trata, mas porque a solidariedade só é uma realidade se for prática de entreajuda. Enfiar a cabeça na areia ou esperar que um dia alguém intervenha pode custar a vida a mais mulheres.

(publicado no Açoriano Oriental de 24 de Novembro 2008)

publicado por sentirailha às 22:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds