Domingo, 21 de Dezembro de 2008

O Natal que eu não gosto

Nem tudo no Natal me agrada.

Desculpem, mas há uma pressão, uma insistência no brilho, um exagero de luzes, de enfeites e de consumo, que não me agradam no Natal.

O Natal que me faz vibrar é feito de coisas muito simples: um presépio, uma lamparina de azeite acesa, um menino deitado nas palhinhas e um cheiro a cedro de uma árvore enfeitada com bolas e fitas.

Há coisas no Natal que me incomodam. O excesso de luzes nas ruas, as músicas que se repetem e os pais natais que tanto atraem as crianças como as assustam.

Na minha memória no Natal não pode faltar os pratos de ervilhaca, de trigo e de alpista, transformando o presépio numa paisagem natural, miniatura da ilha verde, rica da fartura que se espera.

Não cabem no meu Natal as compras avultadas, os brinquedos que são desejos de adulto e que as crianças abandonam, para se deixarem cativar por um brinquedo simples com o qual fazem de conta que são reis e senhores, ou então fantasiam uma cena doméstica, onde brincam aos pais e às mães, aos comerciantes e aos clientes.

No Natal é preciso tão pouco para sentir a união, o aconchego e a partilha. É preciso tão pouco e tudo à nossa volta parece ser tão exagerado. Alguns parecem viver este tempo como um concurso onde cada um tenta iluminar a sua casa mais do que a do vizinho. É ver os veados a saltar, os pais Natal pendurados em varandas e nos telhados. Um concurso que por vezes se estende às prendas, que se querem maiores e mais caras.

No meu Natal, aquele que me faz sentir criança de novo, há velas acesas, lamparinas de azeite que brilham no escuro do quarto, onde um menino Jesus aguarda a oração da família.

No meu Natal até podia não haver uma árvore, mas não faltaria o presépio.

Porque o Natal deveria ser um tempo de verdade, de sincera solidariedade, de tomada de consciência e sobretudo de encontro. Um tempo para despir máscaras, abandonar o brilho das aparências, deixar-se de falsos sorrisos e hipocrisias e procurar dentro de si os sentimentos mais profundos.

Neste tempo de balanço de um ano que termina, é sempre hora para deitar fora as raivas e abraçar os afectos mais positivos, aqueles que nos reaproximam de amigos afastados, nos leva a visitar familiares sozinhos e nos anima a dizer, “boas festas e um bom ano”, convictos desses votos, porque ditos com o coração.

O Natal da minha memória é partilha, simplicidade e não combina com excessos e acumulação. Faltam poucos dias para a festa e este é o tempo da preparação, não apenas para fazer as limpezas gerais, mudar as cortinas ou as colchas da cama. Este é o tempo para lembrar os que amamos, os amigos e aqueles a quem há muito não falamos. Uma palavra, um telefonema podem ser suficientes para fazer deste Natal um tempo diferente. Mas, se ainda não recebeu essa mensagem amiga, aqui ficam algumas palavras de calor.

 Neste Natal não me esqueci de si, sobretudo se está sozinho, doente ou longe dos que mais ama. Há um lugar diante do presépio também para si!

No meio das luzes e dos enfeites, são para si os sorrisos das crianças e a magia daquela vela acesa que ilumina o rosto do Menino Jesus. Afinal é do aniversário dele que se trata; pode sempre lhe cantar parabéns!

(publicado no Açoriano Oriental de 15 Dezembro 2008)

tags:
publicado por sentirailha às 23:37
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds