Quinta-feira, 18 de Junho de 2015

Amigo

Por muitos amigos que alguém possa ter, sobretudo se considerar os que acumula nas redes sociais, poucos são aqueles que se choram na hora da partida.

Os amigos não são "conhecidos" que fazem jeitos, emprestam um livro ou nos visitam uma vez por ano, no dia do nosso aniversário.

Os amigos que se choram são de outra espécie. São ligações que nos constroem, fazem parte das nossas vidas e das nossas histórias e, por causa deles, da sua ajuda, do seu apoio e conselho, aprendemos a ser melhores pessoas.

Quando pensamos nessas pessoas vem à memória inúmeros momentos, fotografias a cores que revemos com emoção.

Perdi um amigo esta semana, o Padre José Maria de Almeida. E pelo número de pessoas que lhe prestou homenagem, não fui a única. Muitos mais também sentiram a sua partida.

Era um amigo verdadeiro. Um guia espiritual e um confidente, um confessor para a igreja, mas sobretudo um excelente ouvinte.

Com ele aprendi a refletir, a pensar com o coração, a procurar a humanidade das pessoas e a ser exigente comigo mesma, sobretudo quando está em causa a verdade, a honestidade interior, a honradez e a verticalidade.

O padre José Maria sempre foi um homem simples, que chegava a recusar o conforto se este o fizesse afastar do essencial. Porque, o mais importante estava sempre no sentido mais íntimo do ser pessoa, onde o Espírito atua e transforma.

Com ele aprendi a arrumar a mente e o coração, sempre que os problemas ou as dificuldades me desorganizavam e impediam de ver, de entender a vida, fazendo baixar a minha vontade ou capacidade para os resolver.

O Padre José Maria ouvia, ouvia, diante dos pensamentos enriçados e do turbilhão de emoções. A sua serenidade e simplicidade ajudavam a pegar na ponta certa e as suas palavras inspiradas desenvencilhavam a meada, clarificavam o que até ali parecia confuso e faziam-me reencontrar a vontade perdida.

A sua excecional capacidade de ouvir fez dele um confessor como há poucos. Com ele aprendi o sentido profundo da reconciliação, longe dos confessionários bolorentos onde se perde a humanidade. Com o padre José Maria, a reconciliação era sempre uma conversa com um amigo.

Um amigo e um guia espiritual, um exemplo de juventude de espírito que ajudou muitos jovens, como eu fui, a não ficar parados a olhar a vida, mas a agir. Mas uma ação eficaz, como ele próprio nos ensinava quando foi responsável pela Pastoral da Juventude, nasce de mentes pacificadas, que refletem o sentido da mensagem. Mesmo que se cometam erros, só acreditando na força do Espírito se pode aprender com as dificuldades e as imperfeições.

São poucos os amigos que se choram na hora da partida e que se recordam com saudade, porque fazem falta.

Fazem falta homens simples, guias, orientadores que, sem serem líderes são pastores, sem gritarem são ouvidos, sem ostentações deixam marcas na vida dos outros. O padre José Maria foi um exemplo de quem soube estar ao serviço no dom de ouvir, na procura da compreensão genuína, na descoberta conjunta, que agradecia aqueles que ajudava, por terem partilhado as suas dificuldades, na certeza de que o Espírito está presente, sempre que dois ou três se juntam em seu nome.

Amigo, fazes muita falta, mas o teu tempo chegou ao fim.

Ficou a marca da tua presença nas vidas de todos aqueles que tiveram o privilégio de te conhecer, de aprender contigo e ter como amigo.

Descansa em paz!

(artigo publcado no Açoriano Oriental de 16 Junho 2015).

publicado por sentirailha às 23:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

. Um inimigo do povo

. Marcas do Tempo

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds