Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2009

O contrário da exclusão

O contrário da exclusão não é, apenas, a inclusão!

Quando pensamos em inclusão, imaginamos um processo que favorece a aceitação e o acolhimento de quem vive à margem, proporciona emprego a quem não tem recursos próprios, abrigo a quem vive na rua ou numa casa degradada.

No entanto, o contrário da exclusão é mais do que inclusão, tantas vezes entendida e operacionalizada como padronização do comportamento e das vidas dos que são diferentes, sejam minorias sociais ou culturais que vivem em ambientes marginais.

O contrário da exclusão significa abertura, porque as situações ou contextos de exclusão social são, simultaneamente, condições de isolamento, fechamento em espaços residenciais, segregação de deficientes ou de meninos oriundos de meios sociais desfavorecidos.

Exclusão significa viver à margem dos direitos de cidadania, numa relação dependente e sujeita, condicionado pela falta de ambição da família e da comunidade envolvente, sem vontade própria para lutar por um projecto de vida pessoal diferente.

Os meios excluídos aprisionam os indivíduos e as famílias em comunidades sem horizontes, que não se estimulam entre si e reproduzem modelos e hábitos de vida. Alterar esse quadro de referência implica, obrigatoriamente, abrir essa comunidade ou alargar o horizonte desse indivíduo, criando incentivos e estimulando aspirações. Essa abertura fomenta o contacto entre pessoas ou comunidades; envolve os actores sociais numa competitividade saudável, entre famílias, entre jovens; apoia os melhores, premeia o mérito e desenvolve estratégias, ao nível da educação, da formação profissional, da prática desportiva e da criação de riqueza, a partir das competências evidenciadas, das características identitárias que definem cada indivíduo ou comunidade.

A inclusão social não pode ser sinónimo de segregação. Não basta arrumar as pessoas em bairros ou em casas. É fundamental abrir esses bairros por via das actividades, dos transportes públicos, dos espaços que favorecem práticas culturais, religiosas ou desportivas. Sem essa abertura, as comunidades ou as pessoas mais desfavorecidas acabam por se refugiar no assistencialismo. Apropriam-se das ajudas não para se libertarem da condição social em que vivem, mas antes para permanecerem condicionadas a um modo de vida fechado sobre si mesmo.

As políticas de inclusão social, nomeadamente a habitacional, não podem anular a diversidade cultural, nem contribuir para esvaziar as freguesias rurais, construindo periferias urbanas descaracterizadas, onde se engavetam casais ou famílias em apartamentos de uma ou duas assoalhadas.

As políticas de inclusão social não podem fechar os deficientes em mundos de silêncio, nem arrumar em instituições os problemas que não queremos enfrentar, sejam os idosos acamados ou as crianças abandonadas; as vítimas de violência ou os jovens delinquentes.

A inclusão não pode conduzir ao fechamento ou isolamento, mas tem de significar libertação das dependências e reforço da autonomia, da capacidade de ser, cooperar e participar de forma activa.

A exclusão não se combate apenas com a inclusão, se incluir significar isolar num bairro, numa turma ou numa instituição quem, supostamente, se ajuda num processo de integração.

(publicado no Açoriano Oriental de 19 Janeiro 2009)

publicado por sentirailha às 00:28
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds