Segunda-feira, 30 de Março de 2009

À minha porta, não!

Somos todos sensíveis perante situações de pobreza, droga, alcoolismo ou criminalidade. São tema de conversa de café as notícias sobre assaltos e outros actos violentos. Escandalizam os casos de jovens que consomem substâncias ilegais em lugares públicos, sem que ninguém os aborde de forma sancionatória ou solidária.

Peremptórios em tomar posições de defesa do bem público, muitos reclamam mais segurança, pedem polícia nas ruas, câmaras de vigilância nas esquinas da cidade, alarmes nas portas e sensores à saída dos estabelecimentos comerciais. Reclamam uma sociedade mais segura e, por isso, não duvidam da necessidade em encarcerar os criminosos, identificar os delinquentes, denunciar os infractores e afastar da vista os que se atrevem a dormir à porta das lojas ou que pedem um euro num parque de estacionamento. 
Ninguém fica indiferente quando surgem notícias sobre idosos abandonados em lares, onde não se respeitam as regras mínimas de segurança e bem-estar ou diante do rosto de uma criança que perdeu o sorriso.
O que quer que eu faça? O mundo está perdido! Isto vai de mal a pior!
Ali mesmo ao lado, vão criar uma casa para esses meninos de rua; naquela outra freguesia vai ser construída uma unidade de tratamento para jovens em estado avançado de dependência de substâncias psico-activas e já está sendo delineada a construção dos novos estabelecimentos prisionais. Não podemos admitir que os reclusos sejam empilhados em celas onde só deveriam estar metade dos que lá estão, nem esquecer que depois do cumprimento das penas há vida para essas pessoas. Se faz algum sentido a cadeia, que seja um tempo de reintegração e não apenas um caixote de lixo onde a sociedade despeja cidadãos infractores, violentos e indesejáveis.
De acordo. É preciso fazer alguma coisa por todos esses, mas será que tem de ser aqui na minha rua, à minha porta!? Não têm um outro lugar para construir essa casa, essa unidade de tratamento? Porque não escolhem uma outra freguesia para implantar o novo estabelecimento prisional, longe das pessoas de bem?
É que nunca se sabe o que esses jovens podem fazer? Temos de pugnar pela segurança e pelo sossego das nossas vidas.
Somos todos sensíveis aos problemas da sociedade, mas…
O que nos trama é esse “mas”, sinónimo das defesas construídas, do comodismo instalado, da falta de espírito voluntário para sermos proactivos, colaboradores nas respostas institucionais, promotores da inclusão que reconhecemos como um direito de cidadania, mas que nem sempre assumimos como um dever.
Se queremos uma sociedade mais segura temos de combater as desigualdades e promover uma maior justiça social.
A segurança dos cadeados, das câmaras de vigilância ou até dos polícias na rua, não tornam a sociedade mais justa.
A insegurança que nos aflige tem um rosto humano. São jovens sem rumo que há muito a família deixou de procurar; pequenos traficantes apanhados nas malhas de uma rede, que encobre outros cidadãos responsáveis; maridos que dominam as mulheres à força; famílias desestruturadas e sem recursos; empresários que não cumprem a lei e sujeitam os trabalhadores a condições precárias.
Somos todos sensíveis aos problemas da toxicodependência, da violência doméstica, da pobreza ou da exploração laboral, mas…
(publicado no Açoriano Oriental de 30 Março 2009)
 
publicado por sentirailha às 20:49
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds