Quinta-feira, 4 de Junho de 2009

Açores, fronteira da Europa

Somos fronteira da Europa. O ponto mais ocidental desta comunidade de países, à qual Portugal pertence desde 1985, é o Ilhéu de Monchique, na ilha das Flores, ponto de referência que serviu para acertar rotas e verificar instrumentos de navegação.

Se na década de noventa do século XX os Açores eram para a maioria dos Europeus uma mera designação do anticiclone, hoje a Região conquistou um lugar de referência, fruto da sua política de cooperação externa e abertura ao espaço europeu; do modo como tem defendido os seus interesses no Parlamento Europeu e, sobretudo, pela forma como tem sabido promover e divulgar a açorianidade, em órgãos de decisão política e na utilização dos fundos europeus.
Actualmente, os Açores na Europa são muito mais do que um arquipélago, o lugar do anticiclone ou o ponto de referência minúsculo das cartas dos navegadores. Na última década, a Região soube conquistar um lugar de destino para o turismo europeu, sendo considerada uma referência para os amantes do património natural, que tem sido protegido e preservado, quer através da investigação científica, quer por via de medidas legislativas.
No domínio da formação profissional, os Açores são hoje uma das regiões europeias que melhor tem sabido utilizar os fundos disponibilizados pela União. Em curso está o ProEmprego (2007 a 2013) programa destinado a melhorar os níveis de qualificação e empregabilidade da população, com um investimento previsto de 263 milhões de Euros. É bom lembrar que em 1997/98, apenas 1,8% da população activa possuía um curso técnico-profissional, quando em 2009 essa percentagem atinge 20% da população trabalhadora. E, prova de que esta é uma opção certa, são os prémios conquistados por alunos das escolas profissionais da Região, em concursos de nível nacional e internacional.
Votar no Partido Socialista nas eleições europeias é também reconhecer como a Região tem sabido afirmar-se no todo Europeu.
Votar é sempre um acto de responsabilidade, a afirmação da nossa cidadania.
Somos apenas uma pequena parcela dos milhões de cidadãos da União Europeia, mas podemos potenciar a nossa dimensão, elegendo um deputado oriundo destas ilhas.
Contribuir para a eleição do Luís Paulo Alves, na lista do Partido Socialista, é apostar na pessoa que está melhor preparada para defender os interesses e as potencialidades da Região, desde o mar e os seus recursos ao potencial agrícola ou à capacidade de produção energética alternativa; desde o emprego à qualidade de vida.
Apostar no Luís Paulo Alves é escolher alguém com um discurso objectivo, credível, capaz de se afirmar nas comissões parlamentares, na negociação de medidas que promovam e defendam os Açores. A sua experiência como parlamentar, gestor e sobretudo, como cidadão activo e interveniente, é uma garantia de qualidade da sua participação enquanto eurodeputado.
É importante votar nas próximas eleições de 7 de Junho para dizer à Europa que os Açores são mais do que um anticiclone e muito mais do que uma região ultraperiférica na fronteira mais ocidental da Europa.
Temos o dever de mostrar o quanto defendemos a nossa Autonomia na diversidade de culturas da União, elevando a nossa voz no meio da multidão e dizendo, com orgulho: somos europeus do Atlântico e açorianos na Europa.
 (publicado no Açoriano Oriental a 1 de Junho 2009)
publicado por sentirailha às 20:58
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

. Um inimigo do povo

. Marcas do Tempo

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds