Quarta-feira, 17 de Junho de 2009

Abstenção, sinal de indiferença

 

O comportamento abstencionista do povo português, particularmente nos Açores no último acto eleitoral, expressa uma falta de sentido de responsabilidade. Ser responsável é assumir a obrigação sem ser obrigado, agir em função do que se acredita e ter consciência de que o bem comum também depende da minha participação.
Passando ao lado da mesa de voto, os abstencionistas, indiferentes, fizeram com que apenas um terço dos cidadãos portugueses definisse os resultados eleitorais.
Quando uma sociedade de adultos se demite de participar, o que espera dos seus jovens? Que modelo de cidadania se transmite com a abstenção? Recordemos que entre as eleições europeias de 2004 e as que ocorreram neste ano de 2009, o número de cidadãos inscritos nos cadernos eleitorais aumentou nos Açores 19,3%, sobretudo jovens que atingiram a maioridade. Quase tantos como os que votaram a 7 de Junho de 2009, 21,7%.
A abstenção num acto eleitoral não é sinónimo de descontentamento, posição activa que se pode ler na duplicação de votos em branco ou nulos.
A abstenção, tal como as faltas não justificadas, reflecte desinteresse, indiferença, alienação e delegação da responsabilidade, apesar de para muitos ser apenas a consequência de um “esquecimento”.
Dificilmente Portugal ganha força no contexto europeu com níveis tão elevados de abstenção.
Mas porque motivos os cidadãos preferiram não votar nas Europeias?
A abstenção pode ser sintoma de falta de acesso à informação ou recusa de uma mensagem desajustada e pouco pedagógica. Afinal qual é a relação do cidadão com a Europa? Que influência podem ter as decisões do Parlamento Europeu na vida de todos os dias?
Mas se no Direito, a ignorância da lei não é justificação para o seu incumprimento, nas sociedades democráticas actuais a falta de informação é cada vez menos uma justificação credível, quando bastaria um clique no comando do televisor ou a escolha de uma página na internet, para ter acesso a alguma dessa informação.
Continuamos a ser um país pequeno, que se acomoda à dificuldade e nela se inspira para cantar o fado. Um país onde é necessário incentivar o empreendedorismo, que naturalmente se assumiu nos tempos da expansão portuguesa ou que os emigrantes experimentam além fronteiras sem apoios especiais.
Podemos fazer melhor. Não será certamente mudando de povo, como diriam alguns, mas aumentando a nossa consciência cívica, em defesa do bem comum. Nem é esperando do Estado a resposta para todos os nossos problemas, mas aprendendo com as dificuldades que conseguiremos resistir e ultrapassar os efeitos da crise que o País atravessa.
Se não controlarmos o nosso próprio destino, fazendo opções no momento próprio, alguém o fará por nós.
Hoje, mais do que nunca, e no quadro do ciclo eleitoral que atravessamos faz sentido citar Michael Jordan quando afirmou “uns querem que algo aconteça, outros desejam que pudesse acontecer, outros, ainda, fazem com que aconteça”. Em que categoria julga estar?
(Publicado no Açoriano Oriental de 15 de Junho 2009)
publicado por sentirailha às 16:06
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds