Sábado, 22 de Setembro de 2007

A culpa é sua!

Perante um erro, uma falha ou até uma desgraça ou acidente, é quase certo que o primeiro pensamento é descobrir ou saber de quem é a culpa! Aponta-se à procura desse outro, o culpado, o causador do problema. Porque os erros, podendo ser um sinal de alerta para um mau funcionamento da vida, de uma organização ou até de uma relação, são sempre mal recebidos. Por isso, nada melhor do que crucificar alguém! Nem que seja injustamente!

Mas, olha não fui! Até podia ter sido, mas não fui.

Mas, se não foste tu, foi o teu pai ou o teu avô!

Para muitos, o  importante é que se encontre alguém em quem descarregar toda a responsabilidade.Quando, na realidade, nenhum erro é só o resultado de uma determinada pessoa, mesmo quando alguém é o principal responsável.

Um erro envolve sempre um sistema relacional que por uma razão falha... Falha a atenção, o tempo, mas também a coordenação, a prontidão do outro, da máquina ou das condições em que se encontram aqueles que interagem.

Quantas vezes os culpados assobiam para o ar, disfarçam e até relaxam se, entretanto, outro for acusado injustamente! Se o que querem é um culpado, que seja outro...

Assumir a culpa é uma virtude, a prova de maturidade que muitos não conseguem ter, porque sobem na vida, passando por cima de outros, fugindo entre os pingos da chuva, julgando sempre que nunca se vão molhar.

A culpa é sempre uma rasteira que a vida nos passa para pensarmos no que fazemos e como fazemos. Um bom motivo para parar e analisar o modo como se vive.

Piedade Lalanda

 

publicado por sentirailha às 23:17
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds