Sexta-feira, 9 de Abril de 2010

Desculpar ou perdoar

Aparentemente são dois verbos de significado idêntico ou pelo menos utilizados com o mesmo propósito. Mas, na realidade, representam atitudes diferentes e reflectem o sentido profundo das relações humanas.

Desculpas são também justificações, para não fazer ou faltar a um compromisso. O povo costuma dizer que há desculpas esfarrapadas, pouco consistentes, que escondem as verdadeiras razões.

Desculpa, como a própria etimologia revela, é um pedido de reparação, uma “borracha” que se procura passar por cima de uma qualquer situação e, assim, ilibar alguém da “culpa” ou do “erro” cometido. Mas, quem passa a vida a pedir desculpa dificilmente muda de comportamento, apenas vai usando o corrector numa vida repleta de erros.

O perdão é bem diferente, porque não repara, renova. Não elimina as aparências, mas restabelece a ligação entre as pessoas. Perdoar significa “para dar”, ou melhor, devolver o amor entretanto perdido e recuperar uma ligação afectiva que se rompeu devido a uma ofensa, uma traição ou até um mal-entendido.

O perdão é mais do que uma desculpa, é um acto de amor e de reencontro. Um abraço que reconforta e aconchega quem antes estava distante.

Perdoar não é esquecer, mas renovar o amor, assumindo as marcas que o sofrimento deixou. Perdoar não é fazer de conta que nada aconteceu, mas aceitar o outro com as suas fraquezas e, também, reconhecer a sua capacidade de amar.

Nem sempre isso acontece quando apenas se desculpa. Aparentemente, ficou tudo esquecido mas, na realidade, vão-se guardando em memória, num arquivo de ódios contidos, as mágoas entretanto vividas.

Afinal, desculpas ou não? Desculpar é muito mais um parêntesis do que uma renovação. Por debaixo do corretor, continua a marca do erro.

Perdoar é intenso e profundo. É íntimo e espiritual. O perdão não desculpa, nem esquece, mas também não recupera os erros do passado, para os devolver. Quem perdoa liberta o outro e liberta dentro de si o amor, entretanto contido, escondido e quantas vezes magoado. Um peso que alguns carregam durante anos, por orgulho, raiva e incapacidade de abrir as comportas do coração. Perdoar é abrir caminho para o amor e reconciliar-se com o outro.

Se desculpar até pode ser uma rotina, que pouco ou nada transforma e que alguns nem se dão ao trabalho de verbalizar, limitando-se a dizer que sim com a cabeça, “Estás desculpado”. Perdoar renova, recupera laços, liberta quem dá e quem recebe, transforma o não dito em confissão, coloca as ofensas em palavras num confronto directo, e por vezes difícil, com a dor provocada e o sofrimento calado.

Desculpar é calcar a mágoa para dentro de uma mochila que, com o tempo, dificulta o caminhar. Perdoar é desenterrar essas mágoas, libertar o outro num abraço e seguir em frente.

A Páscoa não é um tempo de desculpas, mas de perdão. Não é um tempo de “faz de conta, já passou”, mas de intenso reencontro e libertação.

O Amor que cresce não é o que se guarda, mas o que se dá.

 

(publicado no Açoriano Oriental, a 4 de Abril 2010)

tags:
publicado por sentirailha às 23:52
link do post | comentar | favorito
4 comentários:
De Lito a 4 de Abril de 2015 às 20:59
Obrigado pelo texto, é difícil encontrar na net uma explicação tão clara, que aborda todas as definições das duas palavras e depois diferencias. Tem um boa Páscoa :)
De sentirailha a 5 de Abril de 2015 às 22:49
Uma boa Páscoa para si também.
A festa do amor que perdoa.
MC
De Anónimo a 1 de Julho de 2017 às 22:31
nunca li texto tão lindo.
De Anónimo a 10 de Agosto de 2017 às 00:59
Maravilhoso adorei as diferenças das desculpas e do perdão aplausivos

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds