Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

Famílias recompostas

“Tu não mandas em mim porque não és o meu pai!”

Esta é por ventura uma frase que muitos padrastos já ouviram.

Padrastos? Sim, porque em português é a única designação formal que existe para quem casa com uma mulher que já tem filhos de uma relação anterior.

Apesar da carga negativa que a palavra comporta, sobretudo quando é dita no feminino, madrasta, hoje em dia há cada vez mais famílias onde um dos cônjuges não é o pai ou a mãe das crianças.

São as chamadas famílias recompostas. O casal ou os pais vivem neste contexto uma relação complexa que pode envolver crianças, a quem designam de meus, teus ou nossos filhos. As crianças descobrem que, para além dos irmãos, têm meios-irmãos e quase irmãos, estes últimos filhos do amigo da mãe ou da amiga do pai e que, por esse facto, não têm com elas qualquer laço de sangue.

Nas famílias recompostas, os afectos sobrepõem-se às questões do sangue. A partilha de uma vida em comum é mais importante do que a biologia. Mas, porque nada está definido à partida, a vida numa família recomposta é certamente mais complexa do que num qualquer outro tipo de família.

Se, por um lado, as crianças mantêm os laços com os seus avós paternos e com o pai biológico, por outro, a mãe, que entretanto voltou a casar, traz para a vida dessas crianças um novo grupo de pessoas e de relações familiares. Desde logo o padrasto ou o namorado ou amigo da mãe, quase sempre tratado pelo nome próprio, que altera e redefine o próprio papel da mulher. Ao mesmo tempo, mãe e esposa de alguém que não é o pai dos seus filhos, cabe-lhe a tarefa de gerir um conjunto alargado de relações, por vezes conflituosas.

Nas famílias recompostas a vida quotidiana é uma permanente construção na busca do equilíbrio e do bem-estar de todos. É certo que o divórcio resulta de uma relação conjugal que termina, mas quando existem filhos, também é certo que dificilmente se podem cortar os laços que unem as crianças aos seus familiares de sangue, que fazem parte do seu mundo de referências culturais e sobretudo, afectivas.

Por razões diversas, os tribunais conferem em geral às mães o poder paternal, o que limita de forma clara o contacto diário com os pais. Apesar disso, as crianças necessitam de equilíbrio emocional e meios de sobrevivência mesmo que tenham de viver em dois quartos de cama, duas casas e por vezes duas famílias, a da mãe e a do pai.

Não é fácil, mas é necessário, criar espaço para todos, criar condições para que cada individualidade se desenvolva e transformar a circulação das crianças entre a casa do pai e a da mãe, num enriquecimento afectivo e não numa fonte de conflito e competição.

Famílias recompostas, designação sociológica que enquadra um fenómeno recente, mas cada vez mais frequente, de famílias de divorciados com filhos.

Como em qualquer outro tipo de família, não são os laços de sangue que garantem os afectos, mas sim a partilha de uma vida quotidiana, a cooperação na resolução de dificuldades e o convívio entre todos que proporcione bem-estar. Não é o tecto que define a família mas a proximidade entre os corações daqueles que se consideram como tal.

Como refere a socióloga Cristina Lobo, quando se entra numa família recomposta é como quem começa a ler um livro pela metade. Um novo capítulo começa, mas o presente escreve-se com a história passada.

(publicado no Açoriano Oriental, 1 de Outubro 2007)

piedade.lalanda@sapo.pt

publicado por sentirailha às 23:08
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

. Um inimigo do povo

. Marcas do Tempo

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds