Quarta-feira, 19 de Maio de 2010

Atributos

O grande mérito não está em afirmar que se conseguiu, mas em ser reconhecido pelo feito, não está em dizer que se é, mas em ser conhecido por ser.

Mas há quem necessite de falar de si, muito antes dos outros terem vislumbrado qualquer conteúdo nas qualidades que se afirmam, quais etiquetas que se colam num produto para fazer vender. Poderão cativar o comprador mais precipitado, que gosta de experimentar e não se importa de comprar as novidades. Depois, descobre que afinal os rótulos o enganaram, foi levado pela publicidade, mas nada do que constava na etiqueta e na imagem correspondia à verdade.

Hoje fala-se muito de marketing, da necessidade de promover os produtos num mercado repleto de alternativas, para combater a concorrência e ganhar consumidores. Mas o marketing, mesmo quando é muito bem feito, só funciona quando os produtos têm qualidade. Faz vender e, sobretudo, fideliza o comprador, porque quando anuncia qualidade, esta é comprovada, e a composição que vem escrita no rótulo é real quando se experimenta.

Atributos, qualidades ou adjectivos, também se aplicam a organizações, autarquias, governos, regimes políticos ou até empresas.

O importante é não ter pressa de se auto definir, com base nesses atributos. O importante é não etiquetar gavetas, que nunca tiveram conteúdo ou que ainda aguardam o dia em que o vão ter.

Não vale a pena começar por aí, ter uma sede para a associação, mas não ter sócios; ter o equipamento de jogo, mas não saber jogar; ter a fama mas não possuir experiência consolidada.

Hoje fala-se muito de sustentabilidade. Uma palavra nova, que no fundo significa a importância da autenticidade de um crescimento, suportado em recursos, em capacidade de manter uma produção ou uma relação, pensado a longo prazo, que não é um fogacho de faz-de-conta.

Sustentável é todo o desenvolvimento que não começa pelo atributo, pelo título de projecto ou pelo rótulo, mas que corresponde a experiência continuada, enraizada e estruturante.

Quando alguém ou alguma instituição se apressa a etiquetar o que ainda não fez ou não é, cria para si e sobretudo para os outros, a ilusão de uma realidade que está presa por alfinetes, descosida e pouco resistente.

Se quisermos saber o que valemos, o melhor é reparar no modo como somos reconhecidos. E nesse exercício de auto-análise, também é importante assumir que os outros também são bons a identificar os nossos defeitos e denunciar as acções menos conseguidas. Reconhecer esses insucessos também faz parte do crescimento sustentável. De outro modo, corre-se o risco de acabar vivendo detrás de um verniz de aparências, que disfarça o que não se é. Qual pintura que se dá na fachada de um prédio em risco de ruir, tapando as fendas e disfarçando o reboco que ameaça cair, compromete-se uma intervenção profunda, estrutural, que fortaleça o edifício.

As aparências iludem, sobretudo, quem as utiliza como disfarce, porque apenas adiam o cair da máscara, que sempre acaba por acontecer. Só quando os atributos são o resultado de experiências acumuladas, se tornam em fonte de reconhecimento.

(publicado no Açoriano Oriental, a 17 de Maio 2010)

tags:
publicado por sentirailha às 20:52
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

.arquivos

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds