Domingo, 13 de Junho de 2010

Uma terra que dá tudo

O século XXI irá obrigar a humanidade a repensar o modelo de desenvolvimento assente no betão, que invade as terras de cultivo com construções em altura.

Se queremos viver mais tempo e melhor, há que moderar o fenómeno da motorização da mobilidade humana, investir na produção de alimentos frescos e reencontrar o equilíbrio entre a natureza e a acção humana, favorecendo uma maior qualidade ambiental, do ar e dos cursos de água, condição básica para termos uma vida saudável.

A terra, a natureza, não podem ser vistas como meros cenários de fotografia ou cartaz turístico.

Temos de preservar o seu valor como factor de produção de saúde, equilíbrio e, no caso das nossas ilhas, como elemento fundamental da nossa identidade.

Não podemos ser ilhas e querer viver, em cada uma delas, como se vive nas grandes cidades.

Para nós, a floresta, as ribeiras, os terrenos agrícolas e o mar são fontes de riqueza e traços que configuram a nossa história e o nosso modo de estar. Não queiramos imitar modelos que outros já abandonaram. Temos todas as condições para sermos diferentes, para viver melhor e de forma mais saudável e sustentável.

O século XXI coloca-nos um desafio ambiental, a busca do equilibro entre os recursos e a produção. É urgente valorizar a terra e o mar que nos circunda. Já fomos celeiro e pomar nos primeiros séculos do povoamento. Soubemos transformar o leite, a beterraba, o tabaco e o atum em indústrias, nos séculos XIX e XX. Soubemos reforçar e melhorar o sector dos serviços ao longo do séc. XX. Quais são os desafios que queremos atingir no século XXI?

O futuro está no equilíbrio e na qualidade. Temos de preservar os recursos naturais, diversificar a indústria e melhorar a qualidade dos serviços. Precisamos de planear o investimento, para que as gerações futuras não sofram com uma previsível escassez de alimentos e se vejam emparedadas num qualquer edifício, olhando as flores que murcham nos vasos da varanda.

Se queremos garantir o futuro, é fundamental revalorizar o trabalho da terra. Uma actividade cada vez mais exigente, no controlo ambiental, no aproveitamento de recursos, na investigação que permite adequar as produções às condições climatéricas e ao potencial dos solos.

A nossa terra dá tudo! Sempre deu! Dizem os mais antigos.

O que falta é mão-de-obra, referem os empresários agrícolas!

Mas se há terras subaproveitadas e necessidade de incrementar a actividade, por ventura o que falta é dignificar o trabalho agrícola, qualificar a mão-de-obra e melhorar os métodos de produção.

Faz algum sentido que a Região importe a grande maioria dos produtos hortícolas que consome? Faz algum sentido que não se venda leite “do dia” numa terra de lacticínios? Ou que nos hotéis não se promovam os produtos locais, desde o chá às compotas? Por que motivo ainda há restaurantes que não valorizam a qualidade da carne, do peixe e de tantos outros produtos locais?

As nossas terras não precisam de rega; podem produzir sem recurso a processos intensivos e, quando bem geridas, são rentáveis na produção de hortícolas, de todas as espécies, flores das mais variadas cores, vinho, cereais, frutas tropicais e até café.

A nossa terra dá tudo. Só precisa que em troca, lhe demos trabalho e respeito.

(publicado no Açoriano Oriental, 7 Junho 2010)

tags:
publicado por sentirailha às 22:58
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds