Terça-feira, 29 de Junho de 2010

O desafio da escrita

Quando temos dentro de nós a vontade de viver, de dizer ao mundo o que pensamos, não há idade ou condição que possa ou deva impedir essa vida de brotar. Tarde ou nunca, é o que adiamos ou aquilo que desistimos de fazer ou de ser.

Hoje, agora, é o momento para sermos, o tempo que nos oferece a vida para transformar o que sentimos e pensamos em escrita, no cuidado com que tratamos uma planta do jardim, no pormenor que imprimimos num bordado, na realização de uma receita, nas palavras com que acariciamos a existência.

Nunca é tarde para se ser o próprio e deixar uma marca.

Saramago é nesse sentido um exemplo. Assumiu que a sua vida não iria ficar reduzida a dois registos de nascimento e de óbito, como bem retratou no seu livro “Todos os nomes”, nem se limitaria à situação profissional que o curso de serralheiro lhe daria. Por isso, escolheu mergulhar em outros tempos e noutros mundos, em busca de personagens e emoções.

A leitura das obras deste Nobel escritor é uma descoberta, que nos transporta para uma outra dimensão da existência, onde se respira a liberdade de criar, ser e inventar. Não é evidente, não se vislumbra num primeiro olhar, para muitos, ilegível. Faltam os pontos e as vírgulas, falta o regulamento da escrita.

Mas, quando se vence as primeiras linhas dos seus textos, é como se atravessássemos uma cascata de água. Ler Saramago é ultrapassar esse desafio, libertar-se de regras, preconceitos e abrir os olhos a um outro mundo, que nos oferecem as páginas dos seus livros.

Descobri as cores do Alentejo e o grito calado dos alentejanos da sua infância, em “Levantados do Chão” e nas “Pequenas memórias”. Convivi com as figuras dos evangelhos, lado a lado com um Jesus do seu tempo, na obra incompreendida, “Evangelho segundo Jesus Cristo”. Senti o peso do trabalho árduo e as crenças dos homens que construíram o convento de Mafra, lendo o “Memorial”; a angústia de uma cidade onde a cegueira se alastra como praga e faz emergir uma humanidade despojada, no “Ensaio sobre a Cegueira” ou o labiríntico viver urbano, da “Caverna”.

A emoção destas viagens era por vezes tão forte, que tinha de fechar o livro, tal a intensidade das imagens que lia.

Saramago pinta as palavras com cores e recheia com emoções e odores os adjectivos, para nos fazer mergulhar num mundo, que se revela por detrás da “cascata” da sua escrita.

Os seus últimos livros, “A Viagem do Elefante” e “Caim”, proporcionam viagens mais curtas, mas onde o escritor mantém a mesma capacidade descritiva, numa ficção que incomoda, desnuda a realidade e obriga a pensar. Como disse Saramago, “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”. A vida não pode ser apenas existir, porque só faz sentido quando a transformamos em experiência, emoção e desafio.

Deus, Jesus Cristo, a fé são temas relevantes na obra deste escritor que alguns teimam em rotular de ateu, herege. Nas suas páginas, explora-se a dúvida e questiona-se o sentido da existência humana que não é apenas matéria, mas que, como ele próprio afirmou, termina num metro quadrado de terra.

Tomara muitos dos que se dizem crentes assumirem com a mesma frontalidade, desassossego interior e desassombro, este confronto que diariamente coloca, frente a frente, a humanidade e o transcendente.

(publicado no Açoriano Oriental, a 28 Junho 2010)

publicado por sentirailha às 16:48
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

. Um inimigo do povo

. Marcas do Tempo

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds