Sexta-feira, 16 de Julho de 2010

Desburocratizar

A burocracia é um mal necessário da administração, supostamente criada para tornar igualitário o processo de acesso de todos os cidadãos aos serviços do Estado. Burocracia significa literalmente escritório e poder mas, na prática, corresponde por vezes a um excesso de procedimentos e a uma falta de eficiência desse mesmo poder. O tamanho dos processos nem sempre corresponde à atenção que é devida às pessoas.

Os burocratas estão presos ao poder que lhes conferem os formulários de pedido e os requerimentos, que movimentam lentamente na hierarquia dos seus departamentos; recolhendo assinaturas e autorizações; reclamando informações suplementares e documentos em falta; obrigando o cidadão a sucessivas idas ao departamento, para completar um processo, que se arrasta de prazo em prazo.

Este sistema, apesar de moroso, até poderia ser igualitário, se todos acedessem nas mesmas condições e fossem tratados do mesmo modo.

Na realidade, a burocracia funciona muitas vezes como filtro para limitar os apoios, condicionar as decisões e apoiar apenas alguns. Tudo começa no preenchimento de um pedido, na entrega de uma candidatura, aceite dentro de um determinado prazo e munida de um conjunto alargado de documentos e verificações.

Infelizmente, no país em que vivemos, a iliteracia e o desconhecimento dos direitos de cidadania limitam a mobilidade de muitos cidadãos dentro dos canais de poder. Porque alugaram uma casa onde o senhorio não fez contrato e não passa recibo; porque não têm meios para pagar um técnico que lhes faça um projecto; porque se dirigiram ao departamento errado e têm de repetir “n” vezes a mesma informação, são preteridos ou ficam a aguardar, acabando por desistir.

Entretanto, outros há, que ultrapassam todas estas barreiras, com alguns telefonemas ou mensagens electrónicas e a intervenção de alguém influente no processo de decisão.

A burocracia pode matar os direitos dos cidadãos, quando um funcionário responde, friamente, “tenho instruções para não autorizar”; “não posso aceitar porque falta um papel e ultrapassou a data limite”; “eventualmente, se o meu chefe autorizar, poderá ser despachado, mas não garanto nada!”.

Hoje em dia, o burocrata esconde-se detrás de um código de acesso, um nome de utilizador ou uma palavra passe. Tudo ou quase tudo acontece por via da internet, mas isso não significa que seja mais fácil obter deferimento, porque, infelizmente, nem todos os cidadãos estão habituados a este tipo de comunicação.

Desburocratizar é tornar a administração pública mais amiga do cidadão e, por essa via, melhorar o acesso de todos à concretização dos seus direitos, combatendo por essa via, a desigualdade social. É simplificar um sistema excessivamente complexo e impessoal, que prejudica a rápida e eficaz resposta das organizações às necessidades e aos direitos dos cidadãos.

Desburocratizar não significa desorganizar, porque a organização é fundamental e necessária, mas humanizar a relação e a comunicação entre a administração e os cidadãos.

(publicado no Açoriano Oriental de 12 Julho 2010)

publicado por sentirailha às 12:31
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds