Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

Sou republicana

Nasci numa República, cresci em tempos de ditadura e quando atingia a juventude, vivi, de início sem entender o quanto era importante, a instauração da democracia em Portugal. Hoje considero-me, republicana e intrinsecamente democrata.

Não imagino o que seria viver numa monarquia, apesar de reconhecer que outras democracias europeias cresceram sem derrubar esse regime, como acontece na Espanha, na Inglaterra ou na Holanda.

Apesar disso, não posso negar que a vida política nesses países parece acontecer fora dos palácios e da realeza. Os monarcas, reis, príncipes e princesas, que os representam, são mais falados nas revistas cor-de-rosa, do que associados a decisões políticas significativas e de referência nos seus países. O mesmo já não se pode dizer dos presidentes da República, figuras que intervêm, medeiam conflitos e afirmam a identidade nacional fora de portas. Pessoas de mérito que, mesmo não exercendo o cargo, continuam a merecer o respeito dos seus concidadãos.

Por muito que os monárquicos pretendam fazer crer, a democracia representativa e a livre escolha do presidente da República, são direitos que dificilmente poderão ter um equivalente na lógica sucessória dos laços de sangue que determinam a escolha de um monarca.

Sou republicana por tudo isto e porque os ideais que levaram à revolução de 1910, continuam a ser princípios estruturantes da sociedade portuguesa em que vivo.

Combater o analfabetismo, que atingia mais de 70% da população em 1910 e generalizar o acesso à educação em todo o país; afirmar a separação de poderes entre a Igreja e o Estado; legalizar os casamentos civis e institucionalizar o divórcio, defender a igualdade de direitos entre homens e mulheres; proteger a infância e a velhice; extinguir a diferenciação dos portugueses por via dos títulos nobiliárquicos e reconhecer o direito à greve, foram algumas das medidas propostas no primeiro governo republicano e consagradas na Constituição de 1911.

Independentemente dos governos que Portugal teve durante os cem anos da República, dificilmente podemos negar que o país revoltou-se não apenas contra a monarquia, mas em defesa dos direitos de cidadania e do que o século XX viria a consignar como direitos humanos.

Sou republicana, não por ter nascido há quase cinquenta anos, mas porque reconheço na sociedade de direito, que é a República, o sistema que melhor responde e concretiza a justiça social, o direito universal à educação e à saúde e sobretudo, permite a liberdade de pensamento, credo ou religião.

Sonho com uma sociedade plural, do ponto de vista ideológico, tolerante em termos sociais, ecuménica em termos religiosos e diversa no que toca a tradições e padrões culturais.

Luto pela coesão, a integração e a partilha entre diferentes, na procura das soluções que melhor respondem a uma sociedade diversa.

Longe vão os tempos dos impérios e em que se fazia história, coleccionando conquistas de terras ou domínio sobre povos.

A riqueza dos povos e dos governos está nas redes, discute-se em cimeiras e decide-se em parlamentos e assembleias. Ganha com a participação dos cidadãos e enriquece-se através da multiplicidade de organizações que, nas comunidades, procuram dar resposta às necessidades humanas.

Sou republicana, por isso, junto-me às vozes que no dia 5 de Outubro dirão: Viva a República!

(publicado no Açoriano Oriental de 3 de Outubro 2010)

publicado por sentirailha às 18:26
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

. Um inimigo do povo

. Marcas do Tempo

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds