Quarta-feira, 17 de Novembro de 2010

Zaping feminino

Poucos serão aqueles que, vendo televisão, nunca experimentaram o “zaping” termo anglo-saxónico que caracteriza o acto de correr os canais, sem se deter num, por mais de alguns minutos.  

Mas, se o zaping está sobretudo associado à relação com a televisão, o certo é que podemos utilizar este termo para descrever a vida de muitas mulheres, particularmente as que têm uma actividade remunerada, que fazem zaping entre as várias actividades diárias.

Imaginemos um dia na vida de Cristina, um retrato que poderia se aplicar a outras mulheres.

Cristina é casada e aos quarenta anos, é professora e mãe de três filhos com menos de 12 anos e marido trabalha numa empresa de construção civil.

De manhã, levanta-se sempre pelas sete horas; enquanto chama os filhos para a escola, por vezes mais do que uma vez, prepara a mesa do pequeno-almoço, orienta o que será a refeição seguinte, verifica se a sala está arrumada e acaba por ajudar a filha mais nova a se vestir. Enquanto as crianças comem, toma duche, mas não perde tempo; porque não fica à espera que a água do chuveiro aqueça, aproveita para fazer a cama, recolher a roupa suja e arejar os quartos dos filhos. Depois, tira algum tempo para se vestir e colocar uns brincos. Repara que tem de arranjar as unhas, mas não há tempo.

Os filhos vão sair, desta vez o pai é que os vai levar à escola, e isso dá-lhe algum tempo para deixar a mesa posta e o almoço adiantado, antes de começar mais um dia de trabalho.

De regresso a casa, ainda não pousou a mala e já tem o fogão aceso. Falta só acabar o esparguete e os miúdos entram pela porta, gritando as novidades. O dia está longe de ter acabado e Cristina ainda tem de anotar as faltas da dispensa e relembrar os sacos de desporto, pois hoje é dia de levar o mais velho ao basket e a mais nova à natação.

Quando chega o fim da tarde, é hora de trabalhos de casa e de dar aquela ajuda para incentivar sobretudo a mais nova, que preferia mil vezes brincar do que estar sentada a escrever.

Entre ajudar um e outro, por o olho à panela que ferve, estender a roupa, encaminhar os três para o banho de fim de dia e jantar, Cristina não pára antes das nove da noite. Finalmente, um pouco de televisão e um tricot para relaxar. É hora de silêncio. Os miúdos estão deitados, ou pelo menos, ela assim julga e os mais velhos podem falar do que foi a jornada. Estão os dois cansados, mas Cristina não pode deixar de desabafar que tem demasiadas preocupações a seu cargo. A casa, a comida, a roupa, o cuidar dos filhos, as regras a ensinar e a fazer cumprir são ainda tidas por tarefas das mulheres, ou melhor, das mães e ela sente que a sua vida é um zaping permanente, entre a cozinha e o quarto, entre o emprego e a casa, entre os filhos e a roupa, entre o marido e ela. Será que não podíamos partilhar mais ou melhor esta vida quotidiana, questiona, quando finalmente se encontram os dois?

Parecendo que não, acabo o dia esgotada, adormeço no sofá logo que me sento. Sei que isso não ajuda à nossa vida conjugal, comenta Cristina. Mas o que podemos fazer?

No fundo, os dois conhecem a resposta, mas cada um à sua maneira não põe em prática a única forma de acabar com esse zaping e poder viver com mais tranquilidade. Bastaria partilhar, dividir, co-responsabilizar e cooperar.

(publicado no Açoriano Oriental de 8 Novembro 2010)

tags:
publicado por sentirailha às 22:32
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds