Terça-feira, 4 de Janeiro de 2011

Deixar de se queixar dos outros…

“Uma das atitudes fundamentais do ser humano deve ser a de reconhecer em si, numa falta de compreensão ou de acção, a origem das deficiências que nota no ambiente em que vive; só começamos, na verdade, a melhorar quando deixamos de nos queixar dos outros para nos queixarmos de nós.” (Agostinho da Silva, Glossas)

De nada nos serve clamar, eternamente, das dificuldades ou restrições financeiras, dos sacrifícios e das perdas, e apontar o dedo aos outros, fazendo-se vítima da pressão social ou da crise do Estado. Não será certamente dessa forma que iremos enfrentar e, sobretudo, ultrapassar essas dificuldades, se continuarmos a recusar dar a nossa quota-parte de ajuda, trabalho, iniciativa e criatividade, e minimizar o que falta a este mundo para ser melhor.

Queixamo-nos do custo de vida, mas não somos capazes de reduzir os níveis de consumo. Falamos mal dos gastos em folguedos, do luxo e do supérfluo, mas esgotaram as entradas para as festas de fim de ano.

Reconhecemos que vai faltar dinheiro e que o custo de vida vai aumentar, mas segundo consta, aumentaram os levantamentos em caixas multibanco no final do ano.

Afinal queixamo-nos de quê? Dos outros, dos governos, da crise? E o que fazemos para enfrentar essa crise? Fechamos os olhos e esperamos que passe? Fazemos de conta que não é connosco e ficamos a ver os que perderam o emprego, a quem é que cortam o salário ou quem é obrigado a pagar mais?

Início do ano é uma boa altura para voltarmos o dedo para nós mesmos e tomarmos consciência do que ainda não fizemos e que temos de apontar na agenda nova que acabamos de estrear; é tempo de definir novas metas, que sejam também objectivos de mudança para o ano que agora começamos.

Início do ano é altura certa para delinearmos um projecto construtivo, que exija de nós uma renovação de comportamentos, que implique um compromisso e, sobretudo, que nos faça menos críticos, quando se trata dos outros e mais quando está em causa o modo como vivemos.

Temos de ser exigentes connosco, para que a nossa coragem não seja empregue a combater mas a construir. Perdemos forças nessas lutas que têm apenas por objecto derrubar o outro, mas que nada lhe dá em troca e não são sinal de esperança.

O tempo de se lamentar já passou, porque, admitamos, ninguém gosta de saber que vai ter o seu salário reduzido, nem é agradável ouvir o anúncio dos aumentos dos preços ou dos custos que vamos passar a assumir para ter acesso a bens essenciais. Mas será que vale a pena continuar nessa posição derrotista? Ou não será que a hora é de levantar cabeça e de pensar? Sim, pensar antes de se decidir.

Início do ano é altura para reconhecer o quanto valemos e como o nosso contributo é essencial, e faz falta, para melhorar o mundo, a nossa terra, a nossa família ou a empresa onde trabalhamos.

Mas, só iremos melhorar esse mundo, quando “deixarmos de nos queixar dos outros para nos queixarmos de nós; quando resolvermos fornecer a nós mesmos e ao mundo, o que nos parece faltar-lhe” (A. Silva)

publicado por sentirailha às 16:22
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds