Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

O espírito voluntário

O voluntariado é uma prática que nasce das boas vontades, da necessidade que todo o ser humano sente de participar na vida colectiva e de ser reconhecido por esse contributo.

Há muito que existem voluntários. A vizinha que partilha o almoço com outra vizinha mais idosa, que vive com dificuldades; a neta que dorme em casa da avó, que receia ficar sozinha; o empregado que dá catequese aos sábados ou ajuda um amigo a podar as árvores e a rachar lenha.

Sempre que alguém presta um serviço, porque acredita na solidariedade, no espírito de serviço, na defesa do ambiente ou na luta contra a discriminação e é sensível à solidão ou ao abandono dos outros, é um voluntário.

Para além destes muitos voluntários, anónimos que ajudam o próximo, hoje temos movimentos organizados de voluntariado, nos hospitais, nos lares de acolhimento de idosos ou crianças e em muitas outras áreas e até empresas, mobilizando a disponibilidade das pessoas, inclusive quem está empregado, para cuidar ou pensar nos outros.

Registo com respeito e simpatia o serviço que alguns idosos prestaram durante anos, junto às escolas do primeiro ciclo, no concelho de Ponta Delgada. Foi uma iniciativa camarária, ao que sei, compensada financeiramente, mas que contava, sobretudo, com o espírito de serviço dessas pessoas.

No início deste ano, entendeu a autarquia substituir esses idosos por agentes da polícia municipal. Não sei se para poupar uns trocos ou para dar que fazer a esses agentes, mas o certo é que se perdeu a qualidade do serviço que era prestado.

Não acredito que os dois senhores com quem me cruzava, todos os dias, junto à escola da Matriz, na Rua José do Canto, estivessem ali, fizesse chuva, frio ou sol de rachar, apenas pelos euros que a Câmara pagava ao fim do mês. O cuidado com que ajudavam as crianças, o bom dia que lhes diziam, saudando muitas delas pelo nome, ajudando os mais debilitados, revelava sentido de serviço e espírito de voluntariado.

No lugar destas pessoas, que mereciam o nosso apreço e que mostravam aos jovens que a idade não é um obstáculo à participação cívica, a autarquia pôs agentes de farda florescente, que se limitam a ficar especados no passeio, com um auscultador no ouvido e boné enfiado até às orelhas. Pouco ou nada intervêm no trânsito, nem precisam de usar o sinal de stop, pura e simplesmente, porque não estão ali para prestar um serviço, mas para cumprir uma obrigação.

Imagino que não reconhecem os meninos que todos os dias atravessam, não lhes dão bom dia e se forem destacados para ordenar o trânsito noutra esquina qualquer, não ficam com saudades daquela escola, nem das crianças que, supostamente, deviam ajudar a atravessar a rua.

Faço aqui uma sincera homenagem aos senhores que foram afastados pela autarquia de Ponta Delgada, da tarefa de ajudar as crianças junto às escolas, particularmente os que diariamente tinha o gosto de cumprimentar e que prestavam este serviço como avós que cuidam de netos.

Acredito que o voluntário humaniza a participação cívica e qualifica o tempo que se disponibiliza para os outros.

(publicado no Açoriano Oriental, 24 Janeiro 2011).

publicado por sentirailha às 12:37
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds