Quarta-feira, 24 de Outubro de 2007

Tão longe e tão perto

Tive o prazer e sobretudo a honra de participar no aniversário da Casa dos Açores da Nova Inglaterra em East Providence.

Estar entre açorianos emigrados foi uma experiência de reencontro com a identidade que partilhamos mas que, tal como a beleza da terra onde vivemos, não vemos, não temos consciência, a não ser quando nos afastamos.

O mundo dos emigrantes açorianos, da primeira ou da segunda geração, passa em grande parte pela partilha da língua e das tradições da terra de onde partiram. Sentem por estas ilhas uma permanente saudade, o que não os impede de viver o quotidiano de trabalho e de luta em terras americanas. Transportam consigo a marca do sotaque, o nome de família, as recordações daqueles que deixaram para trás, em busca de uma vida melhor.

Hoje, dizem alguns, talvez não emigrasse. A vida nas ilhas melhorou muito, não se compara com aqueles tempos. Havia fome, os meus pais não tinham possibilidades de nos por a estudar, a insegurança criada pelo regime de ditadura, nomeadamente a guerra do ultramar onde morreram tantos açorianos, não convidava a permanecer. Face ao futuro incerto, a América surgia como um horizonte de bem-estar, fartura, trabalho e a possibilidade de poupar algum dinheiro que permitisse a compra de uma casa, de um carro e, quem sabe, depois, voltar “para trás”.

Mas para a maioria, nunca mais aconteceu a oportunidade de “voltar para trás”. Os filhos cresceram, nasceram os netos, a vida foi ganhando estabilidade. Apesar de a alma sofrer de desenraizamento, o mundo à volta foi prendendo, impedindo uma decisão de regresso.

Só a açorianidade consegue unir e consolidar a identidade dos emigrantes. Divididos entre o facto de serem portugueses numa terra estranha, foram aos poucos entranhando a condição de americanos, mantendo viva a alma açoriana que os torna diferentes.

Numa terra onde as culturas europeias marcam o comércio, a restauração, o nome das pessoas e das empresas, entre italianos, irlandeses e outras culturas, os açorianos muito têm contribuído para a história recente dos Estados Unidos, particularmente na costa leste onde muitos residem. Fall River é bem o exemplo de uma cidade onde se fala português com sotaque micaelense.

Todo o açoriano que frequenta a Casa dos Açores ou outras associações do género, traz consigo uma história de luta, sofrimento e algumas vitórias. Uma vida inteira, dizia Conceição, para poder construir a casa dos meus sonhos, uma mansão numa zona residencial de prestígio. Uma vida inteira de trabalho árduo.

Passados vinte, trinta anos, muitos só falam português com os companheiros, porque os filhos, esses já só falam inglês e aos poucos vão-se inserindo numa realidade multicultural.

Em casa, os sabores vão-se misturando, a massa sovada dá lugar ao donut e a carne na assadeira de barro alterna com os hamburguers.

A cinco horas de distância, do outro lado do atlântico, a açorianidade une insulares de várias ilhas num sentimento forte de comunidade. Podem não existir pontes de aço que atravessem o oceano, mas a língua portuguesa é sem dúvida uma ponte que liga os emigrantes à terra de onde partiram.

Tão longe e tão perto, a comunidade emigrante transplanta a açorianidade no outro lado do mar, onde a palavra saudade só se diz em português.

(publicado no Açoriano Oriental a 22 Outubro 2007)

publicado por sentirailha às 21:29
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds