Terça-feira, 22 de Março de 2011

Ser pessoa, imperfeita

O mundo gira à nossa volta e bombardeia-nos com opiniões, escolhas possíveis e modelos de comportamento. Sentimos a pressão dos que nos educam, dos que são nossos chefes, do rumor das vizinhas que criticam ou os comentários que desdenham daquilo que nos torna diferentes.

No meio desta pressão diária, há quem deixe de valorizar o seu próprio pensamento, para ser uma caixa de ressonância da voz de outros. Vivem para ser a mulher que o marido deseja, o empregado que o patrão dá como exemplo, o filho exemplar que não dá problemas e, aparentemente, são cidadãos perfeitos.

Apetece gritar, comecem a pensar por si, pela vossa cabeça.

Viver no mundo não é uma fatalidade com destino único, é um desafio à criatividade.

Só descobrimos o que realmente é ser livre, quando aprendemos a fazer escolhas. Tão simples como comer muito ou o suficiente, cuidar de si ou desleixar, organizar o espaço ou acumular, recusar o que não se quer ou aceitar. É dessas escolhas que depende a nossa felicidade ou infelicidade.

É claro que não podemos viver no mundo, sem aceitar regras, sem estar em comunidade, mas viver é muito mais, exige pensar e reflectir o que nos dizem desse mundo.

Ser mulher ou ser homem não é vestir um fato, com se fosse um disfarce de carnaval, mas interpretar o ser pessoa de uma forma própria. Ouvir e ser capaz de pensar o que nos dizem; sentir e falar do que se sente; acreditar, ter opinião e não ter receio em mudar quando alguém nos faz descobrir uma outra face da realidade.

Não somos uma caixa de ressonância, mas um instrumento musical.

É no exercício dos direitos que defendemos, que afirmamos a cidadania, a musicalidade da nossa vida e assim, mudamos o mundo. Não basta vir para a rua gritar “basta”; de nada serve dizer que há injustiça, respeitem os nossos direitos” e depois esperar que alguém ouça a nossa voz. Se queremos mudanças, temos de alterar as nossas relações, aumentar o empenho e esforço que colocamos na vida diária. Ninguém pode ficar à espera que primeiro mudem os outros. Se o seu mundo não é perfeito, então avance, denuncie, faça o mundo acontecer de outro modo.

Não vai mudar! Respondem os cépticos. É possível, mas então a minha vida terá valido a pena, porque procurei não viver diluído nessa massa aglutinadora, imperfeita, que parece triturar os diferentes e bloquear os audazes. Precisamos do desafio que é vencer essa imperfeição, para não nos cansarmos de viver e nos motivarmos na procura da felicidade.

Não há vidas perfeitas. O que há são mais ou menos oportunidades, que se agarra ou se deixa fugir; pessoas que investem em si e acreditam no outro; que se esforçam e nunca desistem de aprender, que contrastam com aquelas que nunca se dispõem a mudar de vida e baixam os braços na adversidade.

Repenso o meu percurso, revejo vidas que se cruzaram com a minha e encontro homens e mulheres imperfeitos, mas que procuraram a melhor forma de ser feliz. E, hoje, são para mim referências do que é, verdadeiramente, ser pessoa.

(publicado no Açoriano Oriental de 7 de Março 2011)

publicado por sentirailha às 18:47
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds