Sexta-feira, 8 de Abril de 2011

À rasca!

Se antes, ninguém se atrevia a dizer “estou à rasca”, sem primeiro pedir desculpa, por usar um termo calão, hoje dizê-lo parece ter ganho actualidade. É sinal de protesto, rebeldia e até serviu de mote a uma manifestação de rua, de uma geração que assim se intitulou para gritar que vive “em dificuldade”. Em bom português, este adjectivo tem conotações muito mais negativas, do que simplesmente, estar em dificuldade. Usa-se para qualificar o mau gosto, a má qualidade e classifica muito negativamente, a realidade, à qual é atribuído. Rasca significa então reles. E, uma pessoa ou uma coisa reles, não presta.

Compreendo que os jovens precisem de expressar o seu protesto, mas assumir que são ou estão à rasca é, desde logo, sintetizar as suas dificuldades numa designação que desqualifica e é sinónimo de desistência. Apresentando-se como geração à rasca, reduzem-se às circunstâncias, dificuldades, frustrações e faltas de reconhecimentos. Esquecem-se de si mesmos, do que são, dos sonhos que têm e das ambições que podem fazer a diferença. Havia que classificar o protesto? Talvez! Mas recorrer a um adjectivo que empobrece o sujeito ao qual é aplicado e significa perda de meios, incapacidade, falta de qualidade, só pode matar a esperança.

As palavras têm força e os jovens, protagonistas de mudanças sociais, são capazes de forçar a sociedade, os movimentos políticos e cívicos, quando defendem os direitos humanos e apregoam o que falta para se poder sair dessa dificuldade, do desespero. São utopias, mas que apregoam o sonho não o desespero. Ainda hoje, há quem use a expressão “Paz e Amor”, um mote que teve a força para inspirar atitudes positivas, canções de protesto, alimentar ambições e entusiasmar os maus audazes.

Rotular uma geração de rasca, ou mesmo que seja à rasca, apesar do contexto de liberdade, democracia, acesso à escola pública e alargamento das universidades e do ensino profissional, é promover o eterno fatalismo português. É alimentar, não o sonho de ser melhor e de querer mais, mas o desespero de não ter e de não conseguir. Esquecem-se que a liberdade que apregoam foi conquistada por outros jovens, há menos de quarenta anos; que a escola pública para todos onde andaram, é um ganho da democracia que sempre conheceram como regime.

A geração jovem não tem de viver agradecendo a liberdade ou a democracia que as gerações anteriores conquistaram para o seu país, mas também não devia, apenas e só, gritar o desespero e a frustração por achar que não lhes dão o lugar e o reconhecimento que lhes é devido. Herdamos um país pouco escolarizado, sem um tecido económico capaz de resistir às crises, com um sector primário marcado por décadas de atraso, que não investiu no ensino para todos e fez da universidade um privilégio. Por não terem sido ambiciosos para o futuro, vivemos o presente com dificuldades.

Não queiramos fazer o mesmo às gerações vindouras. Sabemos que a escolarização, a formação e a qualificação continuam a ser as únicas estratégias de desenvolvimento que podem fazer Portugal ser diferente e fazer melhor. Enquanto não acreditarmos nisso, mesmo que os resultados ainda não sejam os que desejamos, vamos estar à rasca!

(publicado no Açoriano Oriental, a 28 Março 2011)

tags:
publicado por sentirailha às 22:46
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Helaine Lemos a 4 de Outubro de 2013 às 15:54
Ótimo texto...
Achei o blog porque queria saber o significado de um termo "à rasca" e aprendi muito mais!
Obrigada.
De sentirailha a 4 de Outubro de 2013 às 23:33
agradeço o comentário que me fez regressar ao blog, ao fim de ´vários meses de inatividade.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds