Terça-feira, 3 de Maio de 2011

Viver a crise

Os últimos tempos têm sido marcados, a nível europeu e em Portugal em particular, pelos números da dívida soberana, por taxas de juros que sobem e rendimentos que descem ou vão ser cortados.

Não é novidade termos chegado a este tempo de dificuldades. Sabíamos que a crise do chamado “subprime” nos Estados Unidos iria ter consequências desastrosas na Europa, somente não se sabia qual o grau de incidência em cada país.

Alguns dirão, por culpa dos governos, outros encherão a boca com o nome do primeiro-ministro, fazendo de uma pessoa o bode expiatório de todos os males.

As dificuldades que nos afligem hoje e que irão se agravar nos próximos tempos merecem mais atenção do que um simples apontar o dedo a culpados, como fazem os irresponsáveis. Todos temos responsabilidades no que falhou.

Somos um povo de memórias. Quando nos elogiamos, recuamos ao tempo das descobertas para encontrar o arrojo e o espírito de aventura dos portugueses. Se queremos encontrar causas para os atrasos estruturais, acabamos sempre por reconhecer o impacto negativo de meio século de ditadura, que fragilizou o tecido económico e reduziu as ambições do país em matéria de qualificações. E, depois, quando analisamos o impacto que esses movimentos tiveram, descobrimos portugueses nos quatro cantos do mundo, como povoadores ou emigrantes, à procura de terra, tesouros ou empregos melhor remunerados.

Isto é, quando a dificuldade apertou, sempre encontramos uma saída, fugir, procurar melhor noutro lado. Ainda agora, perante o difícil momento que o país atravessa, muitos pensam na emigração. “Este país não me dá outra alternativa, não há nada que me prenda aqui!” referia um jovem licenciado à procura de emprego.

Pergunta-se, e que alternativa damos nós ao país? Não queremos restrições, mas também não investimos na produção de riqueza; não concordamos com subsídios, mas se pudermos nos reformar antes do tempo, tanto melhor, e se der para meter uma baixa, os outros que trabalhem.

A história portuguesa contrasta na capacidade de lutar, com a fuga perante a dificuldade; na apologia da inovação, com as vozes críticas e conservadoras que receiam mudar procedimentos. Falhamos, porque não reconhecemos a tempo a urgência de qualificar e inovar em sectores tradicionais e, entretanto, vivemos segundo a velha fórmula do “desenrasca-te e improvisa”. Não quisemos acreditar que esta máxima tinha os dias contados.  

Agora que a crise já não é um cenário, mas uma realidade concreta, só resta rever o passado e reestruturar o futuro. Fugir, emigrar, desistir é dar um sinal de fraqueza, “entregar os pontos” e assumir que só enfrentamos desafios quando emigramos.

Não é o fim do mundo viver uma crise económica. Os povos de outros países europeus (Islândia, Grécia, Irlanda, Espanha, Reino Unido, Itália, Holanda, França), se bem que a níveis diferentes, estão a combater tenazmente esta adversidade conjuntural. É possível sair da crise, porque conhecemos as armas para a enfrentar. Pior seria viver uma guerra, ficar à mercê, sem ter como se defender.

A questão principal está em deixar de “viver em crise” e passar a “viver a crise”, ou seja, enfrentar as dificuldades e não se afogar nelas, identificar fraquezas e forças e não sucumbir à letargia e passividade ou virar costas.

(publicado no Açoriano Oriental de 11 Abril 2011).

tags:
publicado por sentirailha às 17:23
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds