Quarta-feira, 14 de Setembro de 2011

Sensibilidade social

Esta é uma qualidade que hoje se reclama aos políticos e às políticas, sobretudo quando se pretende investir no desenvolvimento e na melhoria da qualidade de vida das populações.

Mas será que ter sensibilidade social é uma virtude ideológica ou um dom inato que apenas alguns possuem?

A sensibilidade é uma consequência directa da compreensão. Quem não compreende não pode ser sensível, porque não é permeável às dificuldades dos outros e dificilmente consegue entender que todo o comportamento, decisão ou opinião só faz sentido quando é contextualizado, tendo em conta o tempo e o espaço, a história e as circunstâncias.

Um político com sensibilidade social compreende a realidade, desde logo, porque valoriza as pessoas, antes do dinheiro; considera os valores culturais, a identidade, os direitos humanos, mais do que mercantilização dos bens ou o património; preocupa-se com as causas, em vez de investir no disfarce das consequências.

Vivemos tempos difíceis. Mas o modo como o governo da República tem anunciado o corte nas despesas revela uma total insensibilidade social, o mesmo é dizer uma não compreensão das realidades que pretende “emagrecer”.
Não faltam exemplos. Mas citemos apenas os mais recentes, que irão afectar o nível de saúde dos portugueses.

Pretende-se poupar dificultando o acesso aos contraceptivos hormonais, a pílula, sendo este o método mais utilizado pelas mulheres portuguesas, depois de décadas de atraso e ignorância em matéria de fecundidade e contracepção?

Pretende-se ainda poupar à custa da redução do número de transplantes, comprometendo as vidas de todos aqueles que aguardam a doação de órgãos e não têm meios para recorrer ao estrangeiro?

Onde está a sensibilidade social deste governo?

Sensibilidade e compreensão são duas realidades que se ligam e se alimentam mutuamente. Quem aprofunda a compreensão, torna esclarecida a sua sensibilidade e assim, melhora a sua capacidade de entendimento e de empatia com a realidade.

Ser sensível em termos sociais é defender um estado social, que dá prioridade ao investimento na educação, saúde e protecção social, e cria condições de desenvolvimento e progresso. Aliás, o actual ministro das finanças reconheceu a importância deste investimento num recente encontro da JSD, quando afirmou que esta geração de jovens é a mais bem preparada dos últimos tempos e que, por isso, deve estar agradecida ao Estado Social. Só faltou dizer, e ao governo anterior.

Infelizmente, se esta geração beneficiou e hoje tem aspirações maiores, as próximas correm o risco de viver pior que os seus avós.

Decidir com sensibilidade social, exige considerar as pessoas antes do dinheiro e defender os direitos humanos primeiro do que os interesses económicos.

Infelizmente, o que o país tem visto e ouvido, nos últimos tempos, é um governo que monda os canteiros, arrancando as flores. Que país vamos ser, ou poder ser, depois de pagas as dívidas e estabilizadas as contas?

Quando falha a compreensão, perde-se o bom senso e apenas se decide no curto prazo, sem ambição ou visão de futuro, sem sensibilidade social.

(publicado no Açoriano Oriental de 12 setembro de 2011)

publicado por sentirailha às 00:28
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds