Sexta-feira, 2 de Dezembro de 2011

Confiar

De acordo com os últimos resultados do Inquérito aos Valores Europeus, os portugueses são dos cidadãos europeus que menos confiam. Não confiam nos outros, perderam o sentido de confiança na palavra, que outrora selava um compromisso, não confiam naqueles que elegeram, sendo por isso pessimistas em relação ao futuro, que duvidam possa ser melhor do que o presente.

A falta de confiança favorece o fatalismo, a submissão e a visão dramática da vida como um fado, um fardo, que oprime e reduz a liberdade individual. Sem confiança, os portugueses dificilmente poderão libertar-se do medo e da baixa autoestima, porque quem não confia no ser humano, não será alguém de confiança.

A falta de confiança é no fundo um sintoma de falta de fé em si mesmo.

Mas porque motivo serão os portugueses tão desconfiados?

A confiança aprende-se. Nas relações de entreajuda, na divisão de tarefas e na partilha de responsabilidades. Quando não se ensina e não se promove a cooperação, dificilmente se consegue reconhecer o mérito dos outros.
Se não se valoriza a importância do dar, mesmo quando não se recebe e não se aprende a ouvir os elogios ou as repreensões, dificilmente se constrói cidadãos confiáveis e confiantes.

A confiança é um valor fundamental na vida de uma sociedade.

É a confiança que protege o artista de circo quando se atira do trapézio para os braços do companheiro. É a confiança que nos faz comer os alimentos que outros confecionaram. É por confiarmos que acreditamos.

Quando se perde a confiança não é apenas uma relação no presente que se rompe, mas todo um passado que se contamina e um futuro que se compromete. Será que fui enganado? Serei capaz de voltar a acreditar?

Mas porque desconfiam os portugueses? Porque se perde a confiança nos outros, particularmente nos que elegemos ou em quem delegamos uma responsabilidade?

Merecer a confiança de um eleitorado é aceitar defender o bem-comum sem disso tirar proveito pessoal. Ser confiável é colocar a defesa dos direitos de todos em primeiro plano, sem ter a preocupação de assinar por baixo, sempre que se consegue ou se vence um obstáculo. Infelizmente há por aí quem não seja de fiar, porque abusa, prefere a esperteza, os pequenos poderes, que favorecem o imediatismo do benefício.

Confiamos nas pessoas que mantêm a integridade, ou como diz o povo que têm coluna vertebral, são fiéis aos princípios que dizem defender, coerentes no agir com as palavras que professam, leais com quem e com o que se comprometem e firmes quando se trata de defender um ideal.

Ao invés, não merece confiança quem se vinga quando perde, quem nunca reconhece quando falha ou é capaz de prejudicar quem o ajudou. Mais depressa se perde confiança do que se ganha e, por vezes, não é fácil reconquistar essa confiança, depois de perdida.

A confiança é um bem que engrandece quem a merece. Mas confiar nos outros não é desistir de ser, nem demitir-se de agir ou de estar atento. Também se perde por excesso de confiança, quando não se mede os riscos e se deixa guiar por quem não sabe, sem nunca questionar para onde nos estão levando.

Se a confiança está a faltar aos portugueses, mais coerentes terão de ser os governantes deste país. Porque não basta parecer é preciso ser, de confiança.

(publicado no Açoriano Oriental de 7 Novembro 2011)

tags:
publicado por sentirailha às 17:29
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

. Um inimigo do povo

. Marcas do Tempo

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds