Sexta-feira, 23 de Março de 2012

Diferença ou desigualdade

A diferença não significa desigualdade. A diferença faz descobrir o outro, enriquece, aumenta o potencial de partilha e favorece a complementaridade. A desigualdade afasta, empobrece as pessoas e os povos, dificulta a solidariedade e é pretexto para o abuso de poder e a exploração.

A diferença de género não pode justificar as desigualdades sociais, económicas e até políticas que ainda hoje marcam a relação entre homens e mulheres.

Há quem procure na biologia, no instinto ou num quadro mais ou menos fixo de funções psicoafetivas, uma explicação para justificar a condição social de género. Levantam-se vozes para culpabilizar as mulheres pela baixa de natalidade, pela diminuição da taxa de fecundidade, pelo envelhecimento do país. E, chega-se ao ponto de propor que voltem para casa, que tenham filhos e se dediquem a eles deixando a vida económica e a participação política aos homens, que esses não têm tais responsabilidades; a eles não lhes cabe mudar fraldas ou ensinar as gerações futuras a respeitar valores de igualdade e tolerância.

Reduzem as vidas das mulheres à sua capacidade procriativa, como se esta fosse uma responsabilidade feminina e não um desígnio do ser humano. Apesar da taxa de fecundidade calcular os nascimentos em função do número de mulheres em idade reprodutiva (15 a 49 anos), a decisão de ter um filho devia ser uma escolha consciente. Porque, a relação que daí resulta, é mais do que a maternidade ou a paternidade, consubstancia o que hoje se designa por parentalidade, ou seja, a relação de duas pessoas, que podem ser pais biológicos ou não, com os filhos.

Os filhos não nascem por causa das mulheres, nem pela vontade única destas. São a realização dos seres humanos que assim passam testemunho, dão continuidade à própria vida em sociedade e transmitem uma herança social, mais do que genética, garantindo a sobrevivência da espécie e dos povos.

A diferença gera complementaridade. Homens e mulheres complementam-se na criação, nas funções familiares, nas tarefas, no pensar e no transformar o mundo que os rodeia.

E a complementaridade é sinónima de partilha de responsabilidades. E, partilhar responsabilidades é assumir a construção da sociedade e os seus problemas.

Por isso, não há problemas das mulheres que também não sejam problemas de homens.

Na violência doméstica há 80% de mulheres vítimas, mas há 80% de homens agressores; na prostituição, por ventura 80% são mulheres, mas um grande número destas vive na dependência de homens que as exploram ou controlam as suas vidas. Na gravidez precoce, jovens mães acabam por ser vítimas da irresponsabilidade dos parceiros, quase sempre mais velhos, que as seduzem para uma relação sexual não protegida. Na monoparentalidade, um número elevado de mulheres fica legalmente com o encargo de sustentar os filhos, após um divórcio, uma viuvez ou simplesmente uma relação conjugal que não se concretizou.

Todos os problemas das mulheres são problemas dos homens. Mas, enquanto a diferença de género for pretexto para desigualdades sociais, desrespeito por direitos humanos, exploração e abusos de poder, estaremos longe de uma cidadania plena.

A diferença de género devia multiplicar e não dividir, enriquecer a partilha e nunca excluir ou discriminar.

(publicado no Açoriano Oriental de 12 Março 2012).

publicado por sentirailha às 12:55
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds