Terça-feira, 4 de Dezembro de 2007

A tentação de comprar

Em tempo de Natal é forte a preocupação com as compras, que se querem “boas”, “baratas” e “úteis”. Tarefa difícil, quando se quer limitar os gastos em tempos de aperto, como se o tempo de fartura alguma vez tivesse acontecido. O que havia, isso sim era uma menor oferta e uma menor possibilidade de escolha.

Longe vão os tempos em que no Natal era a época em que se renovava o guarda-roupa e as prendas cabiam num sapato ou numa meia. Hoje as ofertas querem-se grandes, caras e vistosas. As bonecas já não são vestidas pelas mães, que costuravam as roupinhas de acordo com a moda; vêm embaladas em caixas enormes, têm nome e interagem com a criança. Parecem recém-nascidos ou então crianças em idade das primeiras palavras, e até trazem incorporado um sistema que lhes permite dizer “mamã, gosto de ti”. Diga-se a propósito que estes bonecos falantes não dizem papá! Quem inventou o tal mecanismo de voz, por ventura achou que ninguém iria oferecer um tal brinquedo aos rapazes ou que estes nunca iriam brincar, aos pais e às mães, com as suas irmãs ou com as suas colegas.

Ao lado das bonecas, surge a prateleira dedicada aos rapazes, onde abundam os carros de combate, os bonecos de “wrestling” que a televisão promove, e outros brinquedos mecânicos, induzindo a ideia de que a capacidade de lutar e a arte de construir são atributos masculinos.

Não é fácil comprar brinquedos quando se pretende estimular diferentes capacidades nas crianças. Como contornar a velha divisão entre rapazes e raparigas, que põe de um lado o desporto e do outro o cuidado aos bebés, de um lado o carro e do outro o trem de cozinha?

Comprar, comprar, mesmo quando não se pode.

Enquanto são pequeninos, sempre se pode dizer: escreve ao Pai Natal que ele logo verá se pode ou não comprar. Mas quando se é crescido não é fácil dizer “não” perante tantas possibilidades de compra, sobretudo nas grandes superfícies comerciais.

Experimentam-se roupas, que não se podem comprar, calçam-se sapatos que não se vai chegar a usar, vive-se a fantasia de ter dentro dum provador e sonha-se com novas indumentárias, enquanto dura o passeio por entre expositores carregados de roupas brilhantes e se desfazem pilhas de roupa ordenadas por cores. Como não comprar aquela blusa “tão diferente”, que dezenas de pessoas transformarão em igual?

Uma reportagem recentemente publicada neste jornal aborda a pequena criminalidade que as grandes superfícies estimulam. Ao que consta, há mais casos de roubos por corte de alarmes, sobretudo feitos por adolescentes que não conseguem controlar a tentação de ter. Em alguns casos, apanhados em flagrante, e depois de chamados os pais para pagarem os danos, conclui-se que até vivem em famílias com algum poder de compra.

Então se não é o dinheiro que lhes falta, porque motivo se apropriam indevidamente destes bens? Faltam sentido de responsabilidade e capacidade para definir prioridades; faltam princípios que orientem as escolhas entre o que devem ou não fazer, entre o que está certo ou errado. E isso, não se compra, ensina-se, tarefa que cabe prioritariamente à família.

Apesar de nas ruas se ouvir cantar as mensagens de Natal,  que exaltam a paz e a simplicidade, tudo à volta são enfeites, são convites ao consumo e até apelos ao excesso, fazendo esquecer o sentido da festa que estamos a preparar.

Afinal porque se festeja o Natal?

tags:
publicado por sentirailha às 23:18
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds