Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

Ruídos

A arte das relações humanas é sem dúvida a arte do saber dialogar, da delicadeza e sobretudo da empatia, conceito com o qual nem todos concordam mas que encerra em si uma ideia de base, fundamental para a boa convivência: saber se colocar na “pele do outro” ou pelo menos estar disposto a ouvir e a aprender com os pontos de vistas, as opiniões e a experiência daqueles com quem interagimos.

A arte das relações é sem dúvida a arte de comunicar. E uma comunicação eficaz que coloca os interlocutores em sintonia tem de evitar, tanto quanto possível, os ruídos.

O ruído representa para a Psicologia, as interferências ou dificuldades que afectam a qualidade da comunicação. Apesar do termo lembrar o barulho que não é melodia e incomoda, na realidade, numa comunicação humana, ruídos podem ser muitos outros factores e não apenas os barulhos que impedem as pessoas de se entenderem.

Ruídos podem ser as palavras “caras” de um médico que, sem considerar a idade, o nível sóciocultural ou até o estado emocional do seu doente, explica-lhe a sua situação. E, o doente, por vergonha, sem nada entender, acena que “sim “ com a cabeça a tudo o que o doutor diz.

Ruídos são olhares que se desviam ou posições de desinteresse que se adoptam, enquanto o outro fala do que pensa, expõe uma situação ou desabafa um problema.

Ruídos fazem os discursos ou as conversas descontextualizadas, que não têm em conta a realidade do outro, as suas preocupações e parecem apenas servir a quem as diz. “No meu caso eu fiz, eu era, eu tinha”, como se a solução pessoal fosse aplicável aos outros. São monólogos e não conversas que revelam um desconhecimento ou desinteresse da realidade vivida pelos outros. São discursos requentados que não trazem nada de novo, mas enchem o ego de quem os profere.

Quantos problemas não se resolveriam se a comunicação entre as pessoas fosse de qualidade. Quantos mal entendidos não seriam evitados se cada um procurasse estar atento ao outro enquanto fala, enquanto escreve ou toma uma decisão que afecta a vida de outrem.

É certo que nem todos os ruídos são controláveis. Há ocasiões onde o simples facto de alguém estar cansado e não o conseguir evitar, transmite uma imagem contrária ao discurso de optimismo que tenta proferir.

Mas seria muito mais fácil se não se gastasse tanto tempo a desfazer os mal-entendidos, se não fosse necessário responder àquela frase: “eu pensava que o que você queria era…”. “Mas chegou a perguntar o que eu queria?

Talvez fosse bom começar por aí. Em tempo de Natal, em que muitos se afadigam a procurar agradar os outros com prendas, talvez não fosse má ideia começar por ver se os conhecem. Quem sabe, bastará perguntar “afinal de que é que tu realmente gostas? O que é que te dá prazer? Ou melhor, quem és tu? Porque neste Natal eu gostaria de “acertar” na prenda e ajudar-te a sentir aquela felicidade dos mais pequeninos em noite de consoada: oh mãe era mesmo isso que eu queria. Como é que adivinhaste!?”

(Publicado no  Açoriano Oriental, 10 de Dezembro 2007)

publicado por sentirailha às 22:38
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds