Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007

Igualdade

Está prestes a terminar o ano que a Europa dedicou à Promoção da Igualdade de Oportunidades para Todos, apesar deste ser um tema de reflexão e debate para uma década ou até mais.

A palavra igualdade assusta, gera controvérsia e até pode ser polémica. Dizer que se vai tratar todos como iguais provoca reacções e vozes contrárias. Como dirão alguns, é bonito falar de igualdade, mas infelizmente “há uns que são mais iguais do que outros”.

A igualdade nunca pode ser entendida como semelhança absoluta. Falar de igualdade é reconhecer um princípio de garantia de acesso. Acesso igual em termos de direitos e oportunidades, ou seja, igualdade perante a lei, na dignidade e no respeito pela individualidade.

Não é difícil apontar as diferenças que nos fazem viver afastados uns dos outros, basta pensar nas zonas de residência, na escolha das escolas, dos restaurantes ou espaços de férias. Afirmamo-nos como diferentes pelo emprego, pelo género ou pela idade, pela classe a que supostamente pertencemos, pelo grau de conhecimentos ou simplesmente pelo valor dos bens que adquirimos. Por isso, não é difícil encontrar diferenças.

Infelizmente, esquecemos o facto de todos nascermos e morrermos de forma idêntica, como seres humanos, dotados de um nome, de uma identidade e de uma vida finita. Perante a morte somos todos iguais.

Consagrar um ano à promoção da igualdade não fez mudar o mundo. No entanto, espera-se que tenha sido um alerta para diferentes formas de desigualdade, nomeadamente as de género, lembrando por exemplo, que ainda hoje, há empresas que recompensam os pais, homens, por não faltarem ao emprego para ir ao médico ou à escola dos filhos.

A igualdade não é uma questão de resposta meramente jurídica, nem se resume ao princípio consagrado em tratados ou cartas universais. Estamos perante um valor em que se acredita ou não. Um valor que deve condicionar atitudes, decisões e comportamentos.

Também não é um princípio transitório que se pode esquecer passado um ano de reflexão. Podemos até eliminar barreiras e alterar a legislação, mas enquanto não abandonarmos os preconceitos, as desconfianças ou falsas generalizações dificilmente aceitaremos as diferenças, ou ajudaremos a sociedade a reconhecer e a aprovar medidas que favoreçam a igualdade de acesso e de oportunidades.

A igualdade começa na forma como olhamos os outros, em particular, aqueles que são diferentes ou se quisermos, aqueles que são menos iguais. Aprende-se, educa-se. Tal como qualquer outro valor, é inspirador de comportamentos e deve enformar o modo como se educam os mais novos, ensinando-os a distinguir sem hierarquizar; a reconhecer limitações sem discriminar, promovendo a tolerância, o acolhimento e a cooperação.  

Viver a igualdade é utopia, não por ser inacessível, mas por ser uma construção permanente, um desafio que desinstala e desassossega.

Mas, apesar de utópico, há um caminho para chegar à igualdade: reconhecer e aprender a descobrir a riqueza da diferença.

(publicado no Açoriano Oriental no dia 17 de Dezembro 2007)

publicado por sentirailha às 00:28
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds