Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007

Natal de todas as infâncias…

…das que acontecem agora e das que se recordam entre nuvens de memória, entre recordações amarelecidas pelo tempo. Natal que nos transporta para casas do passado, relembra pessoas que já partiram, lugares perdidos, rituais que se repetem, como um filme que nunca nos cansamos de ver.

Natal de todas as crianças, das pequenas no tamanho e das que habitam o coração dos adultos, das que acreditam na simplicidade e são capazes de sentimentos genuínos.

Natal de todas as idades, de todos os tempos, lugares e culturas, tempo para nascer ou renascer, início de um ciclo que outro encerra. Tempo de transição, lugar de união, Natal é sempre tradição ou transmissão.

Natal igual e diferente em cada casa, em cada família.

Natal do bacalhau ou das filhoses, das rabanadas ou do arroz doce. Natal onde se fundem e se renovam tradições familiares.

Natal das luzes ou simplesmente da lareira, das árvores de plástico ou das que cheiram a cedro, do Menino Jesus ou do Pai Natal; Natal das prendas caras ou dos presentes feitos em casa.

Natal fantasia, magia de todas as crianças que acreditam num ser maior, envolto em mistério, que entra nas casas, não se sabe bem como, e traz prendas num saco vermelho.

Natal que provoca sentimentos fraternos, agita corações e faz pensar nos amigos e familiares que não vemos há meses ou até anos.

Natal da minha infância, dos sacos com géneros, distribuídos às famílias mais pobres da paróquia, porque a solidariedade se torna exigência nestes dias de festa, sinal de que todos reconhecemos as desigualdades que ainda perduram.

Quer se acredite ou não, quer se saiba porque se faz o presépio ou simplesmente se goste de ver as luzes da árvore a brilhar, precisamos deste tempo, que apela à solidariedade e à partilha, que nos obriga a pensar nos que estão sós e esquecidos. É uma janela que se abre no calendário, para deixar entrar o ar da paz que brota da união e que apela à reconciliação, ao reencontro. Afinal é Natal, tempo de renovar e recomeçar; tempo de alianças e aproximações.

Natal de todas as infâncias, de todas as crianças, das que já passaram e das que agitam as casas, esperando ansiosas ou até receando, a vinda do tal homem velho que os adultos dizem ter visto passar por perto, sentado num trenó puxado por renas. Fantasia desses adultos que já não se lembram da história do menino Jesus.

Natal, tempo para pensar e reflectir sobre quem somos, olhando as figuras do presépio onde se contam histórias de pastores, os reis magos ou daquela lavadeira que insiste em esfregar a roupa na ribeira, curvada sobre a pedra, alheia ao cantar do galo, empoleirado na gruta, indiferente ao brilho da estrela que guiou três reis até junto de uma manjedoura.

Natal é tempo para ser diferente, não para disfarçar mas para assumir, não para adiar aquele abraço, mas para sentir.

Afinal, dentro de um adulto permanece uma criança que acredita no bem, que uns fazem questão de embrulhar em papel de oferta e outros oferecem de forma gratuita, sem nada pedir em troca.

Natal é tempo de aproximação, de postais ou das mensagens recheadas de votos e de esperança.

A todos os leitores deste jornal, de modo especial aos que dedicaram uns minutos a ler este texto, votos de um Natal diferente, mais sentido e melhor vivido; recheado de cheiros e sabores, de memórias renovadas e recriadas.

 (publicado no Açoriano Oriental a 24 de Dezembro 2007)

publicado por sentirailha às 00:08
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds