Segunda-feira, 3 de Março de 2008

Cuidado! Bebé a bordo.

Sempre me intrigaram os autocolantes que alguns condutores se apressam a colar no vidro traseiro dos seus carros, quando passam a transportar crianças pequenas e bebés.

“Cuidado! Bebé a bordo”, “Gente de palmo e meio a bordo” são algumas das mensagens que surgem como avisos para os que viajam noutras viaturas, sobretudo, para os que circulam na traseira desses carros.

Mas quem deve ter cuidado? O condutor que segue na traseira e que, por ventura, nem leva crianças a bordo, ou o dono desse carro, supostamente, um pai ou mãe de família?

Ainda no outro dia, conduzia devagar num trânsito emperrado que marca o início das manhãs na cidade, e reparei num desses sinais de stop que emoldurava um boneco de chupeta na boca. Dentro desse carro, uma menina, também ela de chupeta na boca, talvez com dois ou três anos, saltava no banco de trás do carro e brincava com uns bonequinhos na prateleira sobre a bagageira. Sem cinto e muito menos sem estar sentada numa cadeira adequada ao seu tamanho e idade, a menina acenava-me com uma mão, enquanto com a outra segurava a chupeta cor-de-rosa. Àquela hora do dia, por ventura a caminho da creche, a mãe conduzia alheia ao que a menina fazia no banco de trás. Para se despachar, e se calhar para não ter de ouvir uma birra, logo no início do dia, preferiu não perder uns minutos em sentá-la com segurança.

Cuidado! Bebé a bordo, dizia o aviso colocado por estes pais, num carro onde aparentemente transportam esta criança sem respeitar as medidas de segurança. Do que receiam, que lhes bata pela traseira! Ou que por circular atrás de um carro com um tal letreiro, iria manter uma distância diferente da que determina o código da estrada?

Chego a pensar se esses avisos não deveriam antes ser colocados no vidro da frente, bem à vista do condutor, lembrando-lhe que uma criança, sentada sem cinto de segurança, que não esteja numa cadeira adequada ao seu tamanho, é facilmente projectada numa situação de travagem brusca ou de acidente.

Para além disso, os pais, enquanto conduzem com segurança até chegarem à creche ou ao jardim-de-infância, podem sempre aproveitar a viagem para conversar sobre o que a criança vai observando, ou simplesmente ouvi-la falar das suas vivências e expectativas em relação a mais um dia na “escolinha”.

Cuidado! Leva uma criança a bordo, é certamente um aviso para pais e sobretudo para condutores stressados, preocupados em picar o ponto a horas, conduzindo apressados, preocupados com as tarefas que os esperam no emprego.

Indiferentes aos mais pequeninos, alguns destes condutores já levam algumas horas a pé, e o dia ainda mal começou. As mães, quase sempre as mães, são sempre as primeiras a se levantar e quando entram no carro, já garantiram que o almoço para os filhos mais velhos, que entretanto deixaram na escola, para depois levarem a mais pequenina à creche, olhando nervosamente o relógio do painel do carro, vendo os minutos passar, e o trânsito que não anda!

Cuidado, perigo ao volante! Porque nesses carros onde os meninos pulam no banco de trás, vêem-se por vezes os pais a gesticular, tentando controlar o comportamento das crianças. Enervados, parecem estar à beira de descarregar na condução a tensão que o início atribulado de cada dia lhes provoca.

Sigo devagar atrás desse carro com aviso no vidro e me apela a ter cuidado, onde uma menina de dois anos, de chupeta na boca, de pé no banco de trás, me diz adeus!

(publicado no Açoriano Oriental a 3 Março 2008)

publicado por sentirailha às 23:46
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds