Quarta-feira, 25 de Maio de 2016

A força do Espirito Santo

A palavra "força" faz pensar em cabos que seguram, braços que levantam pesos ou suportam no trapézio os movimentos de quem se balança confiante. Força física que a idade vai retirando, mas que nunca nos deixa de surpreender nessas e em outras circunstâncias em que o ser humano se agiganta em manifestações de resistência.

Como conseguem, como é possível? Certamente com muito treino, dirão uns, ou com muito exercício, dizem outros. Não será só isso! São humanos e os músculos ou os tendões tem limites na resistência. Então onde vão estes heróis buscar a força que os torna tão resistentes?

Há certamente uma outra força, que não apenas física, que pode explicar tanta tenacidade. Uma tenacidade que é também vontade, motivação.

Não vou desistir! Não será uma situação destas que me vai derrubar! Não lhe faço a vontade e ceder naquilo que considero importante.

Estas são algumas das frases que podemos ouvir de quem é forte, sem que isso signifique forçosamente demonstrações de capacidade para levantar pesos ou aguentar cargas pesadas.

Quem não desiste e se mantém firme tem força de vontade, uma energia anímica que pode mover montanhas e transformar as fragilidades em capacidades.

Dimensão interior ou espiritual, esta força confere coragem aos lutadores e trava a vontade de desistir ou abandonar o que com dificuldade queremos construir.

A força espiritual dá aos tristes razões para não se entregarem sem lutar. É uma fonte de energia e vigor que pode ser avaliada pelo esforço diário, que tantos colocam na luta contra as adversidades e os contratempos.

Podemos até não ser capazes de levantar pesos e sentir que o corpo já não responde às exigências do dia a dia, mas isso não implica que tenhamos perdido a força para vencer, a capacidade para continuar a encontrar sentido na vida. Algumas dessas pessoas, mesmo sofrendo ou vivendo em dificuldade, são capazes de animar os outros que parecem ter perdido o interesse por viver.

Talvez seja por ser energia e motivação na dificuldade, que o Espírito Santo, símbolo da força e da presença do divino na terra, ganhou um lugar especial na religiosidade insular.

Símbolo da transcendência e do poder, força na adversidade e luz na dificuldade, há muito que o culto ao Divino ocupa um lugar especial na vida dos açorianos nas ilhas ou na diáspora. Um culto que se manifesta em oferendas, solidariedade e fartura partilhada.

O Espírito Santo ocupa um lugar no coração dos açorianos porque representa a família, a união de todos, a partilha e o apoio nas horas difíceis, elementos fundamentais na construção de uma comunidade.

Desde que tocaram estas ilhas, os portugueses aprenderam a descobrir as virtudes da partilha e da união e tornaram tradição regional o culto atribuído à Rainha Santa Isabel, também presente em Tomar, onde se destaca o cortejo de oferendas de pão.

A força espiritual é anímica e nesse tempo, como hoje, representa a capacidade para não baixar os braços. Basta pensar no que seriam as ilhas no século XV para imaginar que não devem ter faltado ocasiões de grande desespero onde só apeteceria largar tudo e partir. Mas a luta falou mais alto e da braveza de uma vegetação abundante, os povoadores fizeram campos de produção, domesticaram o caráter selvagem de muitos animais e transformaram paisagens inóspitas em lugares habitados.

Ser açoriano é reconhecer neste ponto minúsculo do mapa mundo, uma referência identitária, que ainda agora depende da força de vontade de quem o habita.

(texto publicado no jornal Açoriano Oriental de 17 Maio 2016)

 

 

publicado por sentirailha às 20:20
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds