Terça-feira, 24 de Março de 2015

Aleluia

A natureza parece gritar a vida na primavera. Faça frio ou chuva, a natureza não precisa de alertas, mensagens ou avisos, para fazer rebentar as novas folhas nas árvores ou florir o jacinto que ficou na terra desde o ano passado.

A natureza conhece, sente os ritmos e sabe quando renascer.

De um tronco ressequido, que o vento desbastou, nasce uma folha! Até mesmo quando ninguém se lembrou da poda, na altura certa, como manda o "borda d'água"...

Mesmo assim, a primavera acontece.

Do chão empedernido, mal regado, num canteiro esquecido do quintal, brota uma flor singela.

Aleluia, é o grito que se ouve na primavera. O que parecia morto voltou à vida, as árvores que ninguém cuidou, apesar disso, deram flor e prometem frutos para o verão.

Aleluia, há sempre uma réstia de esperança quando todos julgavam perdida aquela terra, há sempre uma semente que rebenta no seu seio, ganhando força onde parecia haver, apenas, ervas daninhas.

Eis que brota um pessegueiro, no meio de silvas e mato. Terá sido um caroço atirado em fim de tarde, uma raiz antiga? não importa. Do meio do nada, a vida floresce de novo, resiliente, quando ninguém dela cuidou, resistente, aos ventos e tempestades.

Aleluia, a vida vence sempre a destruição. A força interior, que se esconde numa terra empedernida, é maior que a camada ressequida que a cobre.

Há sempre um tempo para renovar e mesmo que ninguém a convide, a primavera volta, com a certeza de que tudo pode recomeçar.

Regressa, mas não é a mesma de outros anos. Não! Esta é nova, uma nova primavera. Outras passaram, por ventura sem que nos dessemos conta. Mas agora, está de novo aí, rebentando as folhas nas árvores secas, florindo tocas esquecidas, enterradas, rasgando a terra que nunca mais foi regada, a não ser pela chuva. Ela está aí, gritando Aleluia.

Aleluia é um grito de vida, que rompe a morte e vence a terra seca.

Há sempre uma força contida que faz recuperar o sentido, retoma esse ciclo interminável, do viver e morrer, do nascer e florir, para dar fruto e renascer.

Aleluia é essa força que os cristãos celebram na Páscoa, mas que nem todos reconhecem como renascimento. Presos ao espírito de sexta-feira, preferem desistir, porque a terra secou e dali nada pode vir de novo.

Voltados para dentro, calcam a semente que começava a rebentar, impedindo que a luz e o orvalho façam o milagre do renascimento.

Aleluia, abre os olhos, a vida acontece mesmo quando julgamos que nada mais podemos sentir. Ela surpreende, quando menos esperamos, sentados num canto da casa, agarrados ao inverno que aconchegamos à pele.

A vida, qual semente esquecida num canteiro abandonado, é essa força interior que fala baixinho e te acorda do marasmo. Olha, abre a janela, vê o sol que nasce no horizonte, pisa o chão, descalço, e sente como a terra te acolhe. É isso, a vida não nos cobra por primaveras passadas, não contabiliza o que não lhe demos ou o que esquecemos.

Aleluia, esta é uma nova primavera, um convite para renascermos, retirando ervas, pedregulhos que dificultam esse rebento que acabou de florescer no meio do teu canteiro ressequido.

Vê, tens um jacinto amarelo no jardim que brotou daquela toca esquecida, esperança contida numa semente, que deixaste abandonada a um canto.

Aleluia, acorda, a primavera está aí e, se não lhe dermos atenção, ela volta a passar, mais uma vez, sem que floresçam as sementes que insistem em rebentar nos canteiros da vida.

Aleluia!

(texto publicado no Açoriano Oriental, 24 Março 2105)

 

tags:
publicado por sentirailha às 21:33
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds