Sábado, 5 de Dezembro de 2015

Ambivalências

Há sentimentos ambivalentes que nos transformam por dentro para o bem e para o mal. O orgulho é um desses. Se por um lado representa o atingir de objetivos, a satisfação pessoal por ver nos outros a concretização de metas, sobretudo quando achamos que contribuímos para esse projeto, por outro, o orgulho pode ser um obstáculo, um travão.

Acontece quando nem todos concordam com a forma como realizamos ou orientamos um projeto ou alguém nos faz reparos ao que julgávamos perfeito, aí o orgulho emerge como um sentimento estranho de posse, de forma egocêntrica, como se o mundo girasse em torno da nossa própria vida.

É o "orgulho besta", que nos torna incapazes de ouvir os outros e de reconhecer que mais não somos do que um membro de uma grande comunidade. O nosso contributo vale, mas é sempre relativo, quando é posto em comum.

Ter orgulho ou ser orgulhoso, são sem dúvida duas atitudes ambivalentes.

E, como esta maneira de ter ou ser, muitas outras marcam a nossa existência. A grande diferença está no verbo que associamos a essas atitudes, ser ou ter.

Sempre que incorporamos uma característica, seja o orgulho ou então o poder, a sabedoria ou outra qualquer, tudo muda se for algo que temos ou que somos. Experimentem conjugar o verbo ter com cada um destes termos: ter orgulho ou ser orgulhoso; ter poder ou ser poderoso; ter sabedoria ou ser sábio, e sintam como muda a posição que ocupamos ao afirmá-lo.

O que consideramos virtude pode transformar-se em defeito.

Se nuns casos nos engrandece e faz amadurecer, noutros torna-nos menos humanos e incapazes de entender os outros.

Há quem confunda estas duas dimensões e, por sentir orgulho, torna-se orgulhoso, ou por ter poder, julga-se poderoso.

Na realidade, o que fazemos das nossas capacidades, conhecimentos ou emoções faz toda a diferença no modo como vivemos em sociedade. E todos os dias aprendemos e a toda a hora há quem nos recorde essa diferença. Acendem-se as luzes do egoísmo, da ofensa, o sentimento de menor reconhecimento, porque afinal mais não somos do que uma parcela da construção coletiva. O universo não depende da nossa ação, mas sem ela ficaria mais pobre. Os outros não deixam de viver as suas vidas, só porque entretanto, conseguimos atingir o topo de uma montanha. Os demais irão continuar a tentar o mesmo e não vale a pena dizer, "eu já fiz isso", "eu já sei o que isso é....". O mundo precisa da participação de todos e a minha experiência é apenas uma entre muitas, que deve contribuir para o bem comum.

Viver e sentir essas ambivalências constantes é fundamental, quando se trata de fazer escolhas ou de se por na fila da frente para ser visto. Diz uma frase batida, que os últimos serão os primeiros, e talvez isso seja verdade, não porque alguém perdeu o comboio da vida, mas porque a viveu sem preocupação em ficar com o nome gravado numa placa, desde que os outros pudessem beneficiar da sua existência e se sentissem mais felizes com a sua colaboração.

Entre ter e ser, quanta ambivalência, contradição, dúvida. A tentação de se apropriar e de ficar melhor posicionado na fotografia, enquanto outros, mais calados e por ventura, mais importantes, ficam na sombra.

Ambivalências, contradições, entre ser orgulhoso ou ter orgulho, entre ter conhecimentos ou ser sábio.

Quando me falavam de meditação, julgava eu que seria uma experiência difícil, transcendental. Afinal, apenas requere silêncio, fazer um parêntesis no turbilhão da vida e refletir coisas tão simples como esta: que verbo associo às palavras orgulho, saber ou poder?

(publicado no Açoriano Oriental, a 17 Novembro 2015)

publicado por sentirailha às 22:54
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

. Carisma

. Termos de Pesquisa (visua...

. Um inimigo do povo

. Marcas do Tempo

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds