Terça-feira, 28 de Novembro de 2017

Americanices e Globalização

A palavra globalização é recorrente no discurso de quem analisa os fenómenos mundiais, nomeadamente o desaparecimento de características nacionais ou locais, em prol de práticas culturais importadas, que, apesar de desenraizadas, encaixam, "sem dor", nas vivências de outros povos.

Neste mês de novembro assistimos ao Halloween, ao dia de Ação de Graças e à Black Friday, que acontece no dia a seguir. Todas estas manifestações, tipicamente americanas, transformaram-se em produtos de exportação cultural, que nos chegam embrulhados de fantasia, doces e consumo, e rapidamente se infiltraram no nosso quotidiano.

A economia agradece! Os empresários apressam-se a enfeitar as montras das lojas com teias de aranha e abóboras, ou anunciam descontos de "black friday". Até nas sobremesas, os doces com maçã ou abóbora surgem nas prateleiras dos supermercados e das pastelarias.

Quando foi do Halloween, houve quem questionasse porque se deixou morrer o "pão por Deus"? E porque razão, a seguir ao dia de Ação de Graças, feriado nos Estados Unidos, somos incentivados a consumir na "black friday"?

É mais um produto importado que faz vender, logo, consumir, e que gera sentimentos de "ganância", "corrida ao desconto". Compram-se objetos ou produtos, sem ter necessidade, imaginam-se prendas sem pensar nas pessoas, acumulam-se mercadorias, por menos umas dezenas de euros, que as associações de consumidores alertam, nem sempre corresponderem a verdadeiras baixas de preço.

Enfim, é o consumo que cega e faz esquecer que estamos perante uma invasão de produtos culturais importados. Esquecemos quem somos, para nos diluirmos numa forma de estar idêntica a outros e, assim, contribuímos aos poucos para a tal globalização, que julgamos ser uma questão de política ou economia internacional.

A identidade de um povo é um vaso de cristal, uma roupagem única que estrutura e diferencia, mas que se torna vulnerável, quando se perde a consciência de existir. Não é preciso viver isolado para a manter, nem é necessário radicalizar, para a afirmar. Basta apenas não a destruir e, sobretudo, ser capaz de a transmitir e construir memórias nos mais novos. Ter honra de viver e ser da terra que os nossos avós trabalharam e poder dizer, a quem nos visita, quem somos.

O dia em que não tivermos nada para dizer, por ventura nem para mostrar; o dia em que a nossa gastronomia perder significado e os produtos que a terra dá e o mar nos permite pescar, não fizerem parte da nossa restauração, não seremos diferentes dos demais destinos.

E, se as tradições, por exemplo, do Natal ou do Carnaval, não falarem da forma como interpretamos estes tempos e o sentido que representam no nosso calendário, as nossas crianças deixarão de ter memória do que é viver aqui, neste recanto do mundo.

Podemos e devemos manter boas relações com a América, temos lá muitos amigos e familiares, mas há nestas ilhas uma forma própria de estar, que foi construída ao longo de quinhentos anos de história e que, para nós, deve ter mais valor, fazer mais sentido, do que as americanices que o mercado consumista nos impinge.

Temos uma marca identitária, que encontramos na arquitetura, no formato dos campos ou das embarcações, na gastronomia e na religiosidade, no artesanato e nos ofícios, nas palavras e no cantar. E se não amarmos este património, acima de todas as influências, seremos uma amálgama sem forma, sujeita às influências e à vontade de outros.

Para respeitarmos os outros, temos de começar por gostar de quem somos e afirmar a nossa própria diferença, abrindo as portas aos demais, com orgulho e sem preconceitos de inferioridade ou medo.

(texto publicado no jornal Açoriano Oriental, de 28 Novembro 2017)

publicado por sentirailha às 12:38
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Que de hoje a um ano...

. Dias de balanço

. Em véspera de Natal

. Americanices e Globalizaç...

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds