Sexta-feira, 25 de Setembro de 2015

Destino

O português sempre gostou de pensar que "o destino marca a hora" e que a vida não dá espaço para quase nada, que não estivesse já previsto, predestinado.

"Foi o destino que quis!", "estava destinada a isso" ou "foi um encontro com o destino", assim se explicam acontecimentos, quando não se encontram outras razões.

O destino aparece mais forte do que a capacidade de cada um para pensar, decidir e sobretudo escolher.

Arrasa com a liberdade individual, põe em causa as vezes que, entre ficar ou partir, foi preciso decidir; desvaloriza o sofrimento e a dúvida quando a decisão foi partir, apesar da vontade de ficar.

Falar de destino é muitas vezes apelar à inércia e um convite a "deitar a toalha ao chão". As vozes mais céticas dirão, tanta luta, tanto trabalho para ficar tudo como sempre foi ou como os outros quiseram que fosse.

Há uma outra forma de olhar a vida e, sem negar as coincidências que pontuam momentos inexplicáveis, podemos agarrar o futuro como um projeto, que se planeia e no qual se investe de forma pensada e estratégica.

Quem decide estudar ou formar-se numa determinada área de saber, certamente que escolhe uma forma de agarrar a vida e de se realizar profissionalmente.

Quem se revê numa relação amorosa e sente que alguém o torna melhor pessoa, companheira ou companheiro, amigo para a vida, certamente que escolhe, entre tantos outros, alguém muito especial.

Assusta ver aqueles que leem a vida como se fora uma carta já escrita. Tudo é monótono, sem graça, sem interesse. Que novidade pode trazer a luta diária, quando alguém já escreveu os próximos episódios da minha própria história?

Fazer da vida um projeto, e não se limitar a pisar uma linha traçada, é uma aventura, que passa por caminhos conhecidos, mas também cruza florestas e lugares inóspitos. Seguindo o curso do sol, guiado por objetivos e valores de referência, o projeto de vida assume-se como uma construção que ganha forma, na medida em que nele investimos, aprendendo com os demais, corrigindo erros e partilhando experiências.

Destino ou projeto, esse é o dilema que nos coloca a vida, o futuro.

Optar pela primeira posição é quase sempre ficar parado, deixar que outros decidam e deixar-se levar, sem contrariar os acontecimentos.

Optar pela segunda é agarrar a vida com as duas mãos, mesmo que em algumas circunstâncias se aproveite a energia das ondas, sem nunca perder a noção do que se quer, para onde se quer ir e, apesar dos riscos, aceitar desafios.

É o fatalismo do destino que dita o abandono de muitos jovens da escola. "Já os pais não estudaram", dirá alguém, "para quê estudar, se não ter emprego", dirão outros.

É o fatalismo do destino que justifica a gravidez precoce de muitas adolescentes, marcadas por famílias para quem a escola não faz falta, quando o destino é cuidar da casa e dos filhos.

Enquanto não educarmos os jovens a pensar na vida como um projeto, estaremos condenados aos números do abandono escolar, que infelizmente se registam não apenas no ensino básico e secundário, mas também no ensino superior.

Desistir de um projeto, a favor do destino, é entregar os pontos, atirar a toalha ao chão, num momento de fraqueza ou de dúvida.

A única certeza que a vida nos dá é que estamos destinados a viver, enquanto lutarmos por isso. E vale a pena fazer a diferença, sendo nós mesmos.

Todos os dias, podemos trocar as voltas ao destino e descobrir o gosto da liberdade.

 (texto publicado a 22 Setembro 2015 no Açoriano Oriental)

 

publicado por sentirailha às 23:03
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds