Quinta-feira, 13 de Agosto de 2015

Écran indiscreto

Quando Hitchcock idealizou o filme de suspense "Janela indiscreta" estava longe de pensar nos milhares de janelas virtuais que hoje permitem vasculhar na vida alheia.

Bisbilhotar na vida alheia é uma prática tão velha quanto a própria humanidade. Ouvir as conversas dos outros, tirar ilações de comportamentos ou falar de quem não se conhece, são práticas correntes que até fazem capa de revista.

Bisbilhotar é uma forma de se relacionar com o mundo e relacionar-se é uma necessidade humana.

O ser humano é relacional por natureza, não sobrevive sem contactar com outros. Comunicar é como respirar, está na base da construção das sociedades, das famílias e do viver em grupo.

Não será de estranhar o sucesso das denominadas "redes sociais", particularmente o "facebook". Ligar-se a estas redes encaixa, de forma quase "natural", nessa necessidade de contacto e de comunicação.

Inicialmente criado para colocar em contacto uma comunidade de antigos colegas, rapidamente o "facebook" passou a ser uma enorme teia de relações virtuais, onde pessoas mais ou menos conhecidas, partilham informação pessoal numa cadeia onde a palavra "amizade" perdeu conteúdo e significado.

Esta rede transformou os écrans de computador ou de telemóvel em milhares de janelas que se abrem sobre a vida de dezenas, centenas de pessoas, com um simples click na palavra "gosto".

Se Hitchcock classificou de "indiscreta" a janela do seu filme, o que não serão esses milhões de pequenas "janelas", que hoje observam, registam e divulgam comentários sobre a vida dos outros, a cada segundo que passa.

As redes sociais transformaram o sentido da responsabilidade ética e alteraram a fronteira entre o privado e o público.

O que fazer com a informação partilhada? Não será certamente igual dizer "gosto" a uma foto de um apetitoso prato de comida, que alguém "postou" ("postar" substitui "colocar") na sua página, ou dizer "gosto" a quem acabou de perder um familiar e diz estar triste.

Hitchcock quis descobrir um crime a partir da observação de uma janela, mas o que fazer com tanta informação pessoal, íntima e do foro privado, que nunca seria vislumbrada de uma janela normal? Até que ponto essas novas janelas quebram o contacto com a realidade?

Não raras vezes, numa mesa de restaurante, não se ouvem conversas porque cada um observa a janela do seu telemóvel ou do "tablet" para se atualizar nas suas ligações, estar a par sobre os últimos "post", levantando os olhos só quando as crianças começam a brigar por causa de um jogo online.

Os dedos não se tocam, mas deslizam no écran.

Os olhares não se trocam, as pessoas mal se falam e quando o fazem é para partilhar a última informação que leram numa qualquer mensagem online.

Somos seres relacionais que necessitam de comunicar, mas desumanizamo-nos quando deixamos de sentir, tocar ou falar.

É aí, nesse mundo de afetos, que faz sentido a partilha do privado, do pessoal e do íntimo. Fora desse contexto, tudo se banaliza e se transforma em conversa "virtual" que se esfuma num segundo.

Da janela do meu quarto vejo a rua onde moro... ouço os pássaros ... o som das persianas que se abrem... e ouço o meu vizinho dizer, "está um dia lindo, vamos à praia".

É neste mundo que eu vivo...

(texto publicado no Açoriano Oriental de 11 Agosto 2015).

 

publicado por sentirailha às 12:45
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

. Deveres humanos

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds