Quarta-feira, 1 de Julho de 2015

Festas

O tempo de festa rompe com a rotina. Parêntesis que se abre num quotidiano banal, habitualmente construído de forma ordenada, a festa surpreende pelo contraste, despertando euforia e vontade de sair de casa, uma oportunidade para tirar o bolor às roupas vistosas que ajudam à autoestima. Sem relógio ou preocupações de trabalho ou familiares, a festa é esse parêntesis; um tempo fora do tempo que transforma os sisudos em foliões e os introvertidos em conversadores.

Este é sem dúvida o espírito com que muitos vivem as Sanjoaninas, festa terceirense onde a noite se transforma em dia e tudo acontece madrugada dentro; uma sardinhada ou um bailarico, um cantar ao desafio ou uma sopa de peixe acabada de fazer. Tomados pela euforia, a festa faz esquecer a necessidade de descanso e os limites da razoabilidade.

As ruas, que habitualmente separam e organizam, convertem-se em lugares de encontro, verdadeiras salas de convívio, onde as vozes se elevam numa explosão de emoções antes contidas. São encontros com colegas que há muito não se viam, novos amigos que se conhecem por intermédio de outros e tudo isto temperado com momentos de riso e gargalhada.

À medida que o tempo passa e as horas deixam de ter importância, soltam-se as agruras, esquecem-se as preocupações e sobressai uma faceta que nada tem a ver com a coerência do comportamento habitual.

Fala-se da festa de São João na Terceira quase sempre no plural, as festas, porque não há apenas um acontecimento, são muitos. Desde a transformação dos espaços comerciais encerrados em tascas de ocasião, a criação de recintos de dança improvisados no meio da rua ou junto aos palcos de atuações, para não falar do grande auditório em que se transforma a cidade de Angra, para a passagem das marchas. Ladeada por cadeiras que se amarram aos postes, três ou quatro dias antes, a rua da Sé é um palco de festa, com a sua escadaria a transbordar de emoção, gente interessada e curiosa, que anima os marchantes com palmas, gritando "bravo", vivas, com uma energia contagiante. Ninguém fica indiferente à alegria deste povo, que vive a festa como poucos.

Neste tempo de santos populares são muitas as terras que organizam marchas, mas a emoção com que se vive este acontecimento na cidade de Angra é certamente única e genuína. Os terceirenses vivem as suas festas com um espírito que transforma a noite em dia, quem sabe, reminiscências da presença espanhola na história da ilha. Juntam a isso a ligação aos toiros, à faena e o tempo pára, o mundo vira ao contrário, fazendo esquecer, durante esses dias, a monotonia e a rotina de um ano de trabalho.

Ser açoriano é sentir esta diversidade de vivências que marca a idiossincrasia de cada ilha e dá sentido à identidade regional. Ser açoriano é afirmar uma identidade plural. As ilhas são territórios diferentes e os insulares que nelas vivem não são todos iguais, e ainda bem! Porque a identidade do açoriano faz-se desta multiplicidade de facetas culturais.

Não vale a pena comparar vivências, porque é na diversidade de sentimentos e tradições que está a essência da açorianidade, onde se junta a euforia das Sanjoaninas à emoção das promessas do Sr. Santo Cristo; e o mesmo povo que aprecia uma alcatra com massa sovada, come um cozido nas Furnas e partilha o arroz doce ou o balho da Chamarrita.

Somos açorianos, somos esse povo insular que vive a festa de muitas formas, como irmãos diferentes de uma mesma família.

(texto publcado no Açoriano Oriental de 30 Junho 2015)

publicado por sentirailha às 21:35
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

. Retrocesso na Rússia

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds