Quinta-feira, 5 de Novembro de 2015

Pão-por-Deus

O mês de Novembro começa tradicionalmente com o pão-por-Deus, um gesto de solidariedade que nos relembra quem já faleceu.

Associado à festa religiosa de todos os santos e ao dia das almas, o pão-por-Deus é uma tradição popular, que junta esta relação com a morte e o apelo à solidariedade para com os vivos, sobretudo aqueles que passam por mais dificuldades.

Aprender a ser solidário e a reconhecer o caráter transitório da vida são duas traves mestras da educação, que fazem descobrir o sentido do outro. A vida de cada um é um elo que se liga a uma cadeia, onde muitos outros elos já partiram, para construir uma comunidade, que se quer solidária.

Sem ser tradicionalista, mas reconhecendo o sentido da mensagem do pão-por-Deus, não consigo entender porque se deixou entrar, de forma tão comercial e até desregrada, a prática do hallowen, uma outra tradição, inspirada é certo na relação com a morte, mas transformada entre nós num carnaval fora de tempo.

Infelizmente, no meu entender, esta tradição importada é mal interpretada por quem não é anglo-saxónico. Apenas retiram dela o lado carnavalesco, das partidas ou travessuras, do desperdício e dos excessos.

Enquanto os distribuidores dos jornais me deixaram poemas na caixa do correio, lembrando-me que 1 de Novembro era dia de Pão-por-Deus, os foliões do hallowen, que pela minha porta passaram, não estando eu em casa, empastaram a caixa de correio de maionese e ketchup.

Faz algum sentido? O que aprendem as crianças com tais comportamentos?

Será esta a melhor forma de lidar com a morte?

Sabemos que há pais que acham demasiado "violento" levar as crianças diante de alguém que faleceu, mesmo que seja o avô, para não os sensibilizar ou emocionar. Não conseguem abordar o tema da morte e dizem que o avô foi viajar. Sentem dificuldade em ensinar e a partilhar com os mais novos o sentido da perda, do transitório que é a vida.

Enquanto isso, alinham nessa brincadeira das bruxas, dos demónios ou das abóboras, que mais não fazem do que libertar emoções negativas, agressividades contidas e algum vandalismo disfarçado de travessura.

Estamos no mês de Novembro, um mês que na agricultura é dedicado à poda das árvores, um gesto necessário à renovação do ciclo natural. Um gesto que saneia os ramos secos ou aqueles que desperdiçam energia, que deve ser canalizada para os ramos produtivos.

Nas nossas vidas, há momentos que também precisamos de podas, alterações profundas que partam de dentro e nos façam escolher o essencial.

Entre um pão-por-Deus e esta forma estranha de festejar a entrada no mês de Novembro, continuo a preferir a primeira, que me lembra o quão é importante sermos gratos pela vida.

Permitam-me que utilize as palavras dos poemas dos ardinas, que me recordaram, mais uma vez, que somos pouco gratos pelo trabalho dos que nos antecederam e nem sempre valorizamos o esforço daqueles que nos proporcionam conforto. Esta solidariedade, vivida, pode transformar as nossas relações e, essa sim, parece-me uma mensagem a transmitir aos mais novos: é na partilha diária que construímos uma sociedade melhor. É contribuindo com o nosso próprio esforço que potenciamos o que nos foi deixado por aqueles que nos antecederam.

Dizem os ardinas que distribuem os jornais pela manhã, ainda o sol não despontou, que "Pão-por-Deus é tradição, que o seu ardina merece! Se é dado de coração, de coração se agradece".

(artigo publicado no jornal Açoriano Oriental, 3 novembro 2015).

publicado por sentirailha às 22:33
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Onde moram os afetos?

. O (des)acórdão

. O furacão anunciado

. Ruby Bridges

. Escárnio e Maledicência

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds