Domingo, 9 de Novembro de 2014

Perder

É voz corrente dizer-se “não gosto de perder, nem a feijões”.

Perder é a antítese da posse, do acumular, do ter.

E, por muito que valorizemos o espírito de serviço e dediquemos a vida ao bem-estar dos outros, dificilmente conseguimos fugir da tentação de procurar a felicidade pelo caminho da posse, do ter mais.

Acumular, comprar, possuir, apropriar-se são ações que dão uma sensação de poder e, até, de algum prazer. Um prazer egoísta que faz esquecer as dificuldades ou as necessidades dos outros.

Não significa isso, que o poder, em si mesmo, seja negativo. Ele é necessário, faz parte da organização da vida e das relações humanas; é imprescindível no processo político, fundamental na relação educativa, no respeito pelas regras, no controlo dos comportamentos daqueles que põem em causa a segurança e o bem comum.

Mas o poder quando se associa à posse, é demolidor. Querer dominar aqueles sobre quem se exerce esse poder, querer ser dono daquele que é objeto dos afetos, querer se apropriar das qualidades ou controlar a liberdade dos que de si dependem de alguma forma, destrói essas relações, os afetos, reduz os outros a objetos de coleção e, em vez de libertar, encerra o mundo, aprisiona as pessoas num egoísmo estéril.

Por isso, nem sempre perder é assim tão negativo. Até pode ser libertador, quando o que deixamos ir é esse sentimento de posse que em nada nos adianta na relação que estabelecemos com as pessoas ou com as coisas.

Perder pode ser uma experiência de enriquecimento interior quando, dessa forma, aprendemos a conviver com os outros e com o mundo sem intenção de os possuir, e descobrimos na partilha a forma mais verdadeira de viver o amor, sem procurar dominar nem se apoderar.

Ninguém gosta de perder, “nem a feijões”, mas se pensar que, perdendo, também ganha, então isso deixa de ser traumatizante. Sobretudo, quando aprendemos a perder a posse dos outros e descobrimos o valor da sua estima, os afetos mais puros, genuínos, livres e espontâneos.

Nada do que utilizamos é verdadeiramente nosso, no sentido em que possamos incorporar nas nossas vidas.

Apropriamo-nos dos alimentos, da casa, das roupas, dos instrumentos de trabalho, para viver, mas nada disso faz sentido se não formos capazes de amar, de devolver em vida, em atos, em serviço, em pensamentos, ideias e afetos.

É amando os outros, a vida, a natureza que nos tornamos humanos.

Nada nos pertence em absoluto.

Quando olhamos para trás no tempo, podemos fazer o balanço de duas formas, pelos ganhos ou pelas perdas.

Pelo lado do ganho, reconhecemos as escolhas que fizemos, os acontecimentos que nos fizeram crescer, as pessoas que amamos e que nos ajudaram a ser quem somos hoje.

Se apenas as perdas lembrarmos, então a vida parece uma sucessão de erros, um falhanço absoluto, um desperdício.

A perda pode sempre ser superada por ganhos, por isso sem negar as rupturas que nos marcaram, sem esconder os sofrimentos que nos fizeram amadurecer, importa que cada um de nós aprenda a contar a sua história a partir do que aprendeu com essas perdas e sofrimentos, e descubra o que ganhou sempre que a vida o fez perder.

(Crónica lida na Rádio Atlantida - no programa de Graça Moniz - 9 Novembro 2014)

 

tags:
publicado por sentirailha às 17:43
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O género da polémica

. Pobreza e Desigualdade

. Simone Veil

. Igualdade para fazer a di...

. Uma mulher condecorada

. O Papa do sorriso

. Um Tempo para meditar!

. Sexismo

. Retrocesso na Rússia

. Uma horta faz bem!

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds