Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2016

Afetos

A palavra afetos passou a ser adjetivo, que se cola à política, à educação ou até à economia, no que esta tem de comercial e de transação.

Os afetos são sinónimo de proximidade e de personalização, são o ingrediente que humaniza, a linguagem que as pessoas entendem. Por isso, quando se ouve este termo aplicado a tantas áreas da vida pública, é porque todos reconhecem que não se atraem pessoas ou clientes sem lhes tocar, sem que pela comunicação se reconheça e dignifique o outro.

Os afetos são condutores de energia, por eles passam significados, e só nesse contexto é possível fazer-se entender.

Sem tornar a vida numa telenovela, nem lhe retirar o sentido profundo e objetivo das dificuldades e dos problemas que todos vivemos, é pela linguagem dos afetos que compreendemos as circunstâncias do outro, seja ele aluno, cliente, cidadão, eleitor ou empregado.

Não basta estar do lado da razão, ter os argumentos certos ou o poder, se não se souber partilhar ou usar esses trunfos no jogo da relação.

Razão, argumentos ou poder só fazem sentido quando reconhecidos.

A linguagem dos afetos não é para ser anunciada, usada como marketing, qual legenda de um filme estrangeiro.

É fundamental que o agente que a utiliza seja genuíno, acredite no que diz ou faz e, sobretudo, acredite no outro e o reconheça na sua integridade, sem o instrumentalizar. Agora convém dar um abraço, pegar na criança ao colo, fazer de conta que se é simpático. Logo se verá, quando a máscara cair e o teatro acabar!

Essa não é a linguagem dos afetos que humaniza, é antes uma encenação a que se recorre quando se quer fazer boa figura, seja nas relações empresariais, na sala de aula ou no discurso político.

Quem assiste a essa cena, por vezes acredita num primeiro momento, mas fica dececionado quando se apercebe que foi engodo, fogo de vista, um isco para agarrar e fazer crer.

A linguagem dos afetos, realmente, humaniza, aproxima, dignifica a relação, se for genuína, verdadeira e corresponder a uma comunicação com conteúdo, capaz de reconhecer as circunstâncias do outro, inclusive quando é necessário transformar um momento menos positivo, numa experiência de renovação e recomeço.

É bom que recordemos que nos afetos tanto cabem a simpatia como a repreensão, o elogio como a crítica. O reconhecimento do outro, quando verbalizado, não tem forçosamente de ser agradável, pode mesmo ser doloroso e até sofrido. O importante nesta linguagem é ser verdadeira e promover, de forma positiva, a construção de relações saudáveis, positivas e renovadas.

Se não tivermos presentes estes dois lados dos afetos, os que nos afagam o ego e os que nos chamam à razão e nos desafiam a corrigir e reorientar, estaremos longe do essencial. Por ventura, será uma fantasia, o tal faz-de-conta da ilusão que vende revistas e embrulha histórias, qual sorriso amarelo de vendedor desmotivado ou verniz que disfarça madeira podre.

Os afetos não são adjetivo, são conteúdo, sujeito da frase.

Se queremos reaprender a falar essa linguagem, há que ser verdadeiro e reconhecer, primeiro em si, e depois nos outros, as virtudes a potenciar e os defeitos a corrigir.

Todos sabemos falar a linguagem dos afetos, ou não seríamos pessoas, humanos! Basta não ter medo da verdade, olhar nos olhos, abrir o coração e sentir.

(texto publicado no Açoriano Oriental, 26 Janeiro 2016)

tags:
publicado por sentirailha às 15:41
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Afetos

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds