Domingo, 25 de Abril de 2010

O desamor

“Ele está tão diferente!”, “Ela é a sombra da mulher que conheci”.

Ao fim de alguns anos de vida em comum, há quem não reconheça a pessoa com quem vive há vários anos. O que aconteceu entretanto? Porque motivo ele ou ela parece diferente ou se comporta como se já não estivesse em sintonia, ligado à vida que um dia decidiram montar os dois em conjunto.

O desamor é um processo de desgaste lento, que corrói as fundações de uma relação. Vai destruindo por dentro, como as térmitas fazem na madeira, muitas vezes sem ninguém se aperceber. Fragiliza o amor, sempre que o sofrimento não é partilhado; desfaz aos poucos as ligações, em cada ausência não justificada, em cada traição não perdoada. Aos poucos, perde cor e consistência, torna-se poroso e deixa de ser capaz de suportar a mínima frustração.

Mas, se o desamor pode corroer por dentro, há quem nunca se aperceba disso e viva como num conto de fadas, dentro de um castelo de fantasia, onde está sempre tudo bem ou então silencia comportamentos violentos, procurando explicação para as humilhações diárias, que diz aceitar por amor.

Aos poucos o desamor instala-se e a relação fica cada vez mais ténue, um traço que outrora era um cabo, transforma-se numa linha quebradiça, que reage à mínima contrariedade.

Porque motivo há cada vez mais casais que se desencontram no amor? Machado Vaz diria que herdamos uma visão romântica da vida amorosa, povoada de mitos e fantasias, que não tem em conta a realidade e a pessoa que é o outro. Apaixonados, inebriados por se acharem diante da alma gémea, dificilmente reconhecem os defeitos ou se atrevem a aprofundar os motivos do desentendimento.

É importante crescer numa relação amorosa. Aprender a descobrir as diferenças e a gostar do outro na sua individualidade. Construir um espaço comum, sem destruir os recantos da privacidade é um processo contínuo, feito de alguns grandes momentos e de muitos pormenores.  

O desamor é sempre um sintoma de frustração. Porque se criaram expectativas que não tinham fundamento e se ficou à espera que o outro mudasse com o tempo. Porque ninguém ensinou a ser tolerante diante das perdas ou educou para que se reerguesse depois de falhar, lida-se mal com a realidade, que raramente corresponde ao sonho.

O desamor é também um sinal de como se pode viver apaixonado por uma imagem e, um dia, acordar diante da pessoa, em torno de quem se construiu essa fantasia.

No silêncio da rotina sem sabor, o desamor instala-se e corrói como a térmita, mostrando que, numa relação, a preguiça e a acomodação são pragas a combater.

O amor é possível, mas exige que sejamos realistas e procuremos descobrir no outro a sua essência. Exige que se conciliem diferenças, se potenciem virtudes e se transformem as fraquezas individuais em forças partilhadas. O que daí resulta, nem sempre é perfeito, mas enquanto se procurar essa ligação, vive-se numa sintonia que afina com o tempo e constrói um espaço, uma relação, onde nos sentimos em casa e nos movemos sem esforço.

O desamor pode não acontecer, se todos os dias o amor for renovado e reinventado.

(publicado no Açoriano Oriental, 19 Abril 2010)

tags:
publicado por sentirailha às 23:57
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. O desamor

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Escárnio e Maledicência

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds