Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

Balanço

O balanço é uma palavra de sentido duplo. Sinónimo de avaliação do que se fez, também pode significar preparação do que se vai fazer, quando se toma balanço.

Fazer e tomar balanço são duas atitudes necessárias neste findar de ano. Por um lado, importa ter consciência do percurso já feito e dos erros, entretanto cometidos. Por outro, é necessário acumular energia, direccionar a vontade e preparar-se, com entusiasmo, para ser mais eficaz no próximo ano.

Fazer o balanço, avaliar, é um exercício que muitos não aceitam de bom grado, preferindo fechar os olhos e passar a linha do tempo sem pensar.

Avaliar-se, mais do que ser avaliado, é um exercício doloroso que implica reconhecer-se nas suas vitórias, mas sobretudo nos seus pontos fracos. Afinal, durante todo este ano eu disse que fazia, que mudava e afinal não fiz, não mudei, não consegui. Avaliar-se é sem dúvida ser capaz de se por em causa, mas não apenas porque se reconhece que não se foi capaz, mas sobretudo quando nessa reflexão se encontram os motivos, as causas. Se não fiz foi porque não me organizei de forma a conseguir; se não mudei, talvez tenha ficado demasiado agarrado às rotinas, aos hábitos, mesmo sabendo que me destruía com isso, não alterei o meu modo de estar; se não consegui foi porque não me empenhei o suficiente, não fiz o esforço que sabia necessário e sobretudo, não fui persistente, vacilei perante as dificuldades e desleixei.

Nesta hora de balanço, importa rever o filme do ano e registar os momentos em que baixamos os braços; em que desistimos, na altura confiantes, julgando que iríamos retomar e que não abandonaríamos aquele propósito, mas o certo é que a vontade foi morrendo e os planos deixados na gaveta.

Fazer o balanço é ser capaz de por em deve e haver a vida de um ano, os ganhos e sucessos e os falhanços e derrotas, sem medo do saldo ser negativo.

Feitas as contas, este é o momento de “partir para outra”. Dar de novo balanço à vida e projectar um novo ano, com energia renovada e novos propósitos. Não importa se são os mesmos do ano anterior, se são tarefas que já deviam ter sido cumpridas. Nunca é tarde.

Que sentido têm os votos de feliz ano novo, se não nos pomos a jeito da felicidade acontecer, nem procuramos renovar as forças que falharam no ano anterior?

De acordo com os analistas económicos, 2009 deverá ser um ano difícil, a fazer fé nas perturbações que assolam a banca e parecem querer por em risco a estabilidade de muitas empresas, comprometendo o rendimento de milhares de famílias. Mas a crise não é justificação para fecharmos os olhos, para abandonarmos os que nos rodeiam e fazermos de conta que não somos responsáveis.

Se há valor que pode salvar as famílias da crise é a solidariedade, sobretudo, afectiva; o apoio aos mais fracos, aos doentes; a atenção aos mais novos.

Entulhar as crianças no meio de brinquedos, abandonar os idosos numa urgência de hospital e fazer de conta que se é feliz, bebendo uns copos numa qualquer festa de fim de ano, é alienar-se da realidade e deixar que a crise dos afectos, qual térmita, silenciosa, destrua as relações e dê lugar à tensão, às rupturas e à infelicidade.

Este é o tempo de fazer o balanço, para de novo tomar balanço, porque o novo ano está aí, como mais uma oportunidade para sermos felizes!

(publicado no Açoriano Oriental de 29 Dezembro 2008)

tags:
publicado por sentirailha às 21:41
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Balanço

.arquivos

. Setembro 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favorito

. Açorianidade

.Visitantes

blogs SAPO

.subscrever feeds